O entrave à unidade antibolsonarista está na agenda econômica

Palavras do Presidente da República Jair Bolsonaro. 08/10/2021
Palavras do Presidente da República Jair Bolsonaro. 08/10/2021 (Foto: Isac Nóbrega/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News

Como já escrevi por aqui, uma das perguntas que muita gente faz, é: por que diante de toda sabotagem no combate à pandemia, bem como toda a destruição promovida nos mais diversos setores, um processo de impeachment não avança contra Bolsonaro? Obviamente, há um conjunto de fatores e elementos que possibilitam este quadro. Um deles é que o presidente oferece dois pacotes a setores do establishment político arrebentado pela operação Lava Jato, bem como das elites e da turma do Mercado: 1. privilégio e impunidade; e 2. agenda neoliberal sob um projeto de poder autoritário.

Outro elemento é que hoje, na oposição que compreende setores da esquerda à centro-direita, cresce o que podemos chamar de antibolsonarismo, que tem capacidade de desgastar o governo no plano institucional, mas até então aquém da expectativa de mobilizar as ruas. Sem contar na agenda econômica, que é um elemento que impede uma maior coesão em prol da unidade antibolsonarista. Bem diferente do que ocorreu com o antipetismo, que avançou sobretudo pelo desejo das elites, do establishment político e financeiro de aprofundar o receituário neoliberal, junto da pecha de corruptos e do carcomido discurso do “fantasma do comunismo”.

A agenda neoliberal em voga no país desde a “ponte para o futuro” de Temer até o dono de offshore Paulo Guedes só é possível de ser aplicada por fora da democracia. E é sob esta lógica, de exceção democrática, que o Brasil está desde o advento da Operação Lava Jato. Fato que explica a adesão dos neoliberais ao bolsonarismo, ao fascismo à brasileira. Precisamos ter a clareza de que o neoliberalismo não quer eliminar o Estado, mas busca a submissão deste exclusivamente aos interesses do poder econômico.

PUBLICIDADE

Por isso é possível afirmar que os limites do antibolsonarismo estão na agenda econômica. Bolsonaro é o “malvado favorito” de setores importantes da economia nacional. Justamente porque ele, como todo fascista, não tem o menor constrangimento de literalmente “enfiar goela abaixo” do povo as pautas de devastação nacional como a reforma da previdência, a reforma trabalhista, a autonomia do Banco Central, a Lei de liberdade econômica, a desregulação das normas de proteção ao meio ambiente, e o marco temporal na demarcação de terras indígenas. Um retrocesso que a direita tradicional e uma extrema-direita dita “civilizada” até deseja, mas não tem coragem de assumir e fazer.

Logo, a discordância e a divergência que estes setores do establishment podem ter com o bolsonarismo é puramente estética. Isso se comprova quando estes alardeiam os rompantes de golpismo e autoritarismo, mas se calam diante do desmonte estrutural do país e da destruição social. Por fim, são interesses de classe que explicam a hesitação em abandonar o governo e parte das elites políticas e financeiras terem Bolsonaro como opção à mesa em 2022.

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email