O estômago roncou, Bolsonaro e Guedes estão surdos!

"A crise dá os primeiros sinais de agravamento. Saques acontecem no limite extremo da população, para depois, se o governo não tomar providências, o país mergulhar numa convulsão social", escreve o jornalista Laurez Cerqueira

Jair Bolsonaro com Paulo Guedes e mercado sendo saqueado
Jair Bolsonaro com Paulo Guedes e mercado sendo saqueado (Foto: Reuters | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Começam os saques nos supermercados. O primeiro em São Gonçalo-RJ, e podem se espalhar por todo o país. A tensão social aumenta e o governo não funciona.

O Brasil já viveu isso, nos anos 1980, durante e depois da ditadura militar, quando quebraram o Brasil, com a carestia levando à hiper-inflação, a crise de abastecimento gravíssimas, espalhando fome e pobreza. Saques se multiplicaram por todo o país.

Bolsonaro e Paulo Guedes parecem ideologicamente convencidos de que o mercado vai resolver o problema dos preços dos alimentos. Não demonstram se importar com o esgotamento dos estoques.

Nenhuma providência à altura da gravidade da crise foi tomada. Preferem dizer frases marqueteiras, como a que Paulo Guedes disse, que ”o preço do arroz subiu porque a vida dos pobres melhorou". Evidentemente, para que a malta inocente de apoiadores do governo,  seus robôs, pedalem nas redes sociais e enganem o máximo de pessoas possível.

A população de baixa renda ou de renda nenhuma, não consegue mais pagar R$ 40,00, por um pacote de 5 k de arroz, vendido até parcelado, no cartão de crédito. Os estoques de milho e trigo, também estão se esgotando.

Segundo o Ministério da Agricultura, quase 90% da produção agrícola no Brasil são de soja e milho, dominada pelas mega-corporações do agronegócio, para exportar e embolsar lucros cavalares, enquanto o dólar continuar subindo aos picos. 

A agricultura familiar, abandonada à própria sorte, não consegue produzir para atender a demanda interna, principalmente da população pobre.

A crise dá os primeiros sinais de agravamento. Saques acontecem no limite extremo da população, para depois, se o governo não tomar providências, o país mergulhar numa convulsão social.

Bolsonaro e Guedes demonstram que não conseguem ou não querem tomar medidas sensatas para tirar o país da crise.

Essa pedra foi cantada, mas a elite do país preferiu blindá-los e desfrutar da segurança que eles e as forças armadas, policiais, judiciárias, parlamentares, dão ao sucesso dos negócios das grandes corporações nacionais, internacionais, e dos bancos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247