O general Heleno pediu, o Supremo atendeu

Para Paulo Moreira Leite, colunista do Jornalistas pela Democracia, "ao adiar o julgamento de Lula, que iria se realizar sob o escândalo das denúncias do Intercept, o Supremo ganha tempo para escapar dos argumentos irrespondíveis sobre a parcialidade de Sérgio Moro. O adiamento, diz ele, "não tem o menor fundamento jurídico, mas é um sinal político.

www.brasil247.com -
(Foto: General Heleno cobrou, Supremo atendeu)


Por Paulo Moreira Leite, para o Jornalistas pela Democracia - Não vamos nos iludir. A decisão de adiar o julgamento do recurso de Lula, que poderia abrir caminho para sua liberdade, não tem menor fundamento jurídico, mas é um sinal político. 

Lula deve ser condenado à "prisão perpétua", disse o general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional, num café da manhã no Planalto, na presença de Bolsonaro e de jornalistas que fazem a cobertura da presidência. 

Num país onde legislação não prevê a pena de prisão perpétua, a única forma de a Justiça atender a vontade do general é obrigar um réu -- Lula, no caso -- cumprir um conjunto acumulado de condenações, de tal modo que nunca tenha chance de sair da cadeia. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O adiamento cumpre essa função. O julgamento marcado para amanhã aponta 7 razões para o STF declarar a nulidade da condenação de Lula no caso do triple. A denúncia é contra Sergio Moro, suspeito de parcialidade. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alivanhados há meses pela defesa, a ação reúne motivos sólidos e bem fundamentados, criando chances reais da causa de Lula ser vitoriosa por 3 a 2 -- o voto de minerva é de Celso Mello.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Somadas às revelações divulgadas pelo Intercept, que mostram uma promiscuidade inaceitável entre Sérgio Moro e o chefe da força tarefa da Lava Jato, os argumentos da acusação se tornam irrespondíveis. 

Neste caso, o melhor é adiar -- no cálculo de que uma segunda condenação, pelo sítio de Atibaia, permita manter Lula em Curitiba, cumprindo-se assim a vontade do general.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alguma dúvida?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email