O golpe do "mal menor" e o ato de 12/9

A reedição do golpe das “Diretas Já” pelos que deram o golpe de 2016

www.brasil247.com - BolsoDoria
BolsoDoria (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

Antônio Carlos, DCO

Sob os auspícios e liderança real do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), eleito em 2018 sob o apelido de “BolsoDoria”, foram convocados “protestos” para 12 de setembro, organizados por grupos da direita fascista, que participaram ativamente da campanha golpista que levou à derrubada do governo Dilma Rousseff e que participaram, entusiasticamente da campanha para eleger Bolsonaro e o próprio governador tucano, o MBL e o Vem Pra Rua.

A essa escória política, defensora de todos os ataques contra o povo brasileiro dos governos golpistas de Michel Temer e Jair Bolsonaro, se juntaram políticos e partidos amplamente repudiados pelo povo, como o DEM, do ex-ministro Mandetta. 

PUBLICIDADE

Até o momento do fechamento desta edição, “confirmaram presença nos atos de domingo os diretórios nacionais do Novo e do Cidadania, os diretórios paulistas do PSL e do PSDB e os diretórios paulistanos do PSDB e do PDT”. Também era “esperada a participação de políticos como Orlando Silva (PCdoB-SP), Isa Penna (PSOL-SP) e Luiz Henrique Mandetta (DEM)” (Folha de S.Paulo, 8/9/21).

Não faltaram declarações de apoio à unidade com a direita da parte de velhas raposas, abutres da esquerda como políticos do PDT, como Ciro Gomes, e do PSB, como o governador Flávio Dino (ex-PCdoB) e o deputado federal Marcelo Freixo (ex-PSOL).

As digitais de Doria estão por todos os lados. Uma semana antes, o fascista tucano tentou proibir as manifestações da esquerda no dia 7 de setembro em todo o Estado de São Paulo, ao mesmo tempo em que cedia a Avenida Paulista para Bolsonaro realizar sua demonstração de força. No mesmo dia, Doria anunciou que o próximo ato seria convocado pelos seus moleques de recado “contra Bolsonaro e Lula”.

PUBLICIDADE

Tudo em perfeita sintonia com o patrão tucano, que quer comandar a “terceira via” e para isso já conta com o apoio explícito do maior monopólio da imprensa do País, a Rede Globo, que anunciou que vai transmitir os debates preparatórios e dar ampla cobertura às prévias do PSDB, de onde o “Partido da Imprensa Golpista” (PIG) e a maioria da direita tradicional esperam ver emergir a candidatura do “Joe Biden” brasileiro, travestido de democrata, defensor das mulheres, dos negros e tudo mais que possa ser usado na farsa eleitoral, na terceira etapa do golpe que a direita busca montar com o apoio de setores da esquerda, sob o disfarce de “unidade” contra Bolsonaro.

Para se opor ao “mal maior”, que seria Bolsonaro, apresenta-se o “mal menor”, João Doria. Está em andamento a velha operação da direita de levantar um espantalho para assustar uma parcela da população e fazê-la apoiar o setor mais reacionário e antipopular contra quem já não serve mais aos donos do golpe de Estado de 2016.

Não por acaso, a própria direita e setores da esquerda capituladora, falam em reeditar a campanha das “Diretas Já” procurando evitar que haja grandes mobilizações populares que possam sair do controle que a direita busca impor.

PUBLICIDADE

De fato, a direita persegue o mesmo objetivo da campanha derrotada na década de 1980, na qual a mobilização popular contra a ditadura iniciada pela esquerda foi contida e derrotada pela direção burguesa e reacionária, integrada ao regime militar, e conduzida para o apoio à chapa formada por dois chefes tradicionais da direita nacional (Tancredo Neves e José Sarney) homens de confiança dos militares e do imperialismo, no Colégio Eleitoral da ditadura.

Para embalar os sonhos delirantes de setores da esquerda e conter a revolta crescente da população e as mobilizações que, desde maio, levaram centenas de milhares de pessoas às ruas, são publicadas pesquisas eleitorais fajutas e promessas vãs de que haverá um processo eleitoral democrático no País. Nesse sonho edulcorado, a direita permitirá que o candidato da esquerda, condenado e preso de forma criminosa em 2018, possa agora disputar e triunfar em 2022. Conseguiriam tudo isso sem luta, sem enfrentamento com a direita, sem mobilização efetiva de sua base de apoio.

Isso ocorre quando até mesmo a direita fascista, comandada por Bolsonaro, é ameaçada de ser jogada para escanteio (ou ser colocada na reserva) para que os donos do golpe assumam o comando do regime que eles edificaram derrubando e perseguindo o governo do PT.

PUBLICIDADE

A esquerda classista não pode se deixar levar pela campanha da direita; não pode confundir os interesses dos algozes com os das vítimas; não deve se juntar com os verdadeiros responsáveis pelas mais de 600 mil mortes (ocultas pelos números oficiais) na pandemia, pelo recordes de fome, desemprego e miséria que o País acumula e que não são obra exclusiva de Bolsonaro.

Os que convocaram os atos do dia 12, os “pais” de Bolsonaro querem dar o golpe e tapear o povo. É preciso reagir e levantar as reivindicações do povo explorado, contra a política de terra arrasada que eles, juntos com Bolsonaro, buscam impor.

É preciso colocar o bloco na rua, mobilizar a partir dos locais de trabalho, estudo e moradia, com a palavra de ordem “fora Bolsonaro e todos os golpistas”.

É necessário rejeitar a política traidora de frente ampla com os golpistas e desmascarar a farsa que, uma vez mais, está sendo montada contra o povo trabalhador.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email