CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Luis Felipe Miguel avatar

Luis Felipe Miguel

Professor de ciência política da Universidade de Brasília (UnB). Os textos reproduzidos nesta coluna são postados originalmente no Facebook do autor

87 artigos

blog

O golpe foi um golpe

"Reparação oficial a Dilma Rousseff incomoda a imprensa. Por quê?", questiona o cientista político Luis Felipe Miguel

Imagem Thumbnail
Presidente Dilma Rousseff na tribuna do Senado durante o Golpe de 2016 (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

(Publicado no site A Terra é Redonda)

Noticia-se que o governo está pensando em promover uma reparação simbólica a Dilma Rousseff, agora que o Poder Judiciário confirmou que o pretexto usado para derrubá-la – as “pedaladas fiscais” – não se sustenta.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

É o correto a ser feito. Não só em relação a Dilma Rousseff, embora só isso já fosse suficiente. É importante, para a história do Brasil, deixar registrada essa tautologia: o golpe foi um golpe. Com consequências que foram muito além da retirada ilegal, de seu cargo, de uma presidente eleita.

O golpe marcou a ruptura, de vastos setores da classe dominante brasileira, com o princípio do respeito às regras do jogo. Inaugurou um período de vale-tudo na política brasileira, com incerteza quanto à vigência das normas constitucionais, marcado pela permanente queda de braço entre os poderes. Afinal, deslanchado por Eduardo Cunha e impulsionado pela Lava Jato, o golpe não poderia deixar de assinalar o triunfo do gangsterismo político.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O rompimento dos consensos sobre valores democráticos e igualitários básicos, alimentado pela direita tradicional, PSDB à frente, abriu espaço para o crescimento de uma aberração como o bolsonarismo.

Os líderes do golpe em 2016 e aqueles que se reuniram em torno de Jair Bolsonaro, que no script inicial estavam destinados a ser meros coadjuvantes, se irmanavam, porém, no projeto de redução do Estado e desmonte das proteções oferecidas à classe trabalhadora.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Em suma: o golpe nos legou desorganização institucional, violência política e ampliação da desigualdade.

Mas a Folha de S. Paulo publicou ontem um editorial furibundo contra o possível desagravo a Dilma Rousseff.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

É um texto cheio de ódio. Diz que a ideia de Lula, de oferecer uma reparação a Dilma Rousseff, é um absurdo: “não bastou a sinecura internacional com que a presenteou”.

A Folha julga que Dilma Rousseff não tem competência para ser presidente do Banco do BRICS? Que apresente seus argumentos. Em vez disso, prefere lançar acusações ao vento.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mas o central, anunciado já no título, é que “não foi golpe”.

O que o editorial diz é que “a lei dos crimes de responsabilidade […] é flexível a ponto de permitir o enquadramento de virtualmente qualquer governante”. Em seguida, assume que “Não foi a tecnicalidade das pedaladas fiscais […] que de fato derrubou Dilma Rousseff”.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ela caiu por conta de sua “política econômica” e de sua “inapetência [sic] parlamentar”.

(Está certo que a péssima redação dos editoriais da Folha é lendária, mas este se superou.)

Em suma: o jornal reconhece que a presidente foi retirada do cargo sob falso pretexto. Mas não podemos chamar de golpe mesmo assim.

A mídia corporativa brasileira foi cúmplice do desmonte da Constituição no Brasil, patrocinando a Lava Jato, apoiando o golpe, aplaudindo as práticas autoritárias do governo de Michel Temer, normalizando o bolsonarismo.

Depois, quando o fedor neofascista do governo passado começou a ficar forte demais, quis se fazer de paladina da democracia. A Folha ainda mais que seus concorrentes.

Sem nem sombra de autocrítica, é claro. Se é incapaz de se arrepender por ter colaborado com a tortura de opositores da ditadura, porque iria fazer mea culpa pela simples participação coadjuvante numa trama golpista?

O editorial de ontem só confirma que ela segue nesse caminho.

(Publicado originalmente nas redes sociais do autor.)

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO