O golpe já foi dado contra Bolsonaro

"O único golpe possível já está em andamento. Foi o anunciado e previsível golpe do centrão", escreve Moisés Mendes, do Jornalistas pela Democracia

www.brasil247.com - Bolsonaro com políticos do PP, partido do "Centrão". Da direita para a esquerda: Ricardo Barros, Ciro Nogueira e Arthur Lira
Bolsonaro com políticos do PP, partido do "Centrão". Da direita para a esquerda: Ricardo Barros, Ciro Nogueira e Arthur Lira (Foto: Reprodução)


Por Moisés Mendes, para o Jornalistas pela Democracia 

Não são poucos na grande imprensa os emissários dos avisos dos generais de que nada vai acontecer se Lula vencer a eleição. É uma espécie de habeas corpus preventivo (nos deixem fora dessa) tornado público pelo jornalismo que se presta a levar recados.

Temos um verão com um jogral de avisos. Os generais tentam passar a imagem de que agora são legalistas, mas a essência encoberta do recado é outra. Estão admitindo que não há como segurar um golpe imaginado e comandado por Bolsonaro.

Os militares não têm nem vontade nem força para aplicar e manter um golpe. E talvez a vontade não exista porque sabem que não têm força, mesmo que golpes, com seus mais variados formatos, sejam bichos imprevisíveis.

Até porque ninguém sabe como seria um golpe hoje. O último e mais próximo de nós, na Bolívia, foi um desastre. Não tentem fazer em casa o que os generais, policiais, latifundiários e milicianos bolivianos fizeram em 2019.

Os recados dos militares no Brasil pretendem deixar claro que, se Bolsonaro seguir em frente, o projeto é apenas dele. Mas fica sempre a dúvida se, com a mesma presteza dos que saltariam fora, há os que desejam continuar dentro.

É difícil medir a convicção dos que continuam ao lado de Bolsonaro até o limite da loucura completa e de uma ruptura. Mas que ruptura?

Foi para esses, e não só para Bolsonaro, que Lula escreveu no Twitter que “a democracia brasileira sairá mais forte de 2022, e todos terão que aceitar o resultado das eleições”.

Dois movimentos pessoais recentes de figuras do meio militar oferecem informações que chegam em primeira mão a Lula e depois a todos nós. São movimentos que parte das esquerdas prefere pisotear.

As mensagens que passam são diretas e por isso mesmo incomodam os que se consideram  intérpretes espertos de gestos considerados traiçoeiros dos militares.

O general Fernando Azevedo e Silva e o almirante Antonio Barra Torres deram os mais incisivos recados do ano. Azevedo e Silva, sem dizer nada publicamente, aceitou ser o secretário-geral do Tribunal Superior Eleitoral.

Barra Torres, dizendo tudo, numa carta que pôs Bolsonaro de joelhos, desafiou o sujeito a apontar a insinuada corrupção na Anvisa ou a se calar. Bolsonaro acovardou-se de novo e se calou.

Azevedo e Silva aceitou ser o muro militar cravejado de cacos de vidro do TSE contra a possibilidade de golpe, porque conhece sua turma. Estarei aqui contra os que atentarem contra as eleições, é o que ele manda dizer.

E Barra Torres afronta Bolsonaro como almirante que manda um recado a um tenente que apenas passou pelo Exército.

Não tem golpe porque não há como acreditar que Bolsonaro, um sujeito medíocre e vacilante, possa ser um líder golpista. Nem milicianos seguiriam Bolsonaro.

Golpes com a participação de milícias (des)organizadas falharam recentemente na Bolívia, nos Estados Unidos e no Peru. E no Brasil as milícias fariam o quê? Dizem que espalhariam o caos.

Mas o que significa espalhar o caos? Avacalhar com a apuração nas eleições? Atacar o Supremo e prédios de instituições? Sair às ruas tumultuando a vida nas cidades?

Atacar virtualmente tudo o que representa e defende a democracia? Disseminar mais mentiras? Queimar pneus? Sequestrar? Matar?

O caos já é o próprio Bolsonaro, com sua ação destrutiva em todas as áreas. O caos é produzido cotidianamente.

Um golpe é outra história. O único golpe possível já está em andamento. Foi o anunciado e previsível golpe do centrão. Bolsonaro já foi golpeado e subjugado e será saqueado até as vésperas da eleição.

Ao golpe do centrão é agregado agora o golpe dos militares que mandam avisos aos jornalistas, anunciando que abandonaram o sujeito e tentando antecipar uma trégua com Lula.

Com o que sobrar de apoios civis e militares, Bolsonaro não conseguirá aplicar um golpe nem no síndico do condomínio da Barra da Tijuca, se voltar pra lá depois de derrotado e abandonado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email