O Google influencia a opinião pública sobre a guerra da Rússia contra a Ucrânia?

A mídia ocidental claramente tomou parte da guerra entre Rússia e Ucrânia e notícias que confrontam tal perspectiva dificilmente são encontradas nas buscas

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters/Arnd Wiegmann)


A imparcialidade e a objetividade absoluta não são comumente encontradas na mídia em geral. Como as matérias jornalísticas passam pelo viés do escritor, é necessário que este apresente também as concepções contrárias às suas. 

A grande mídia ocidental claramente tomou parte da guerra entre Rússia e Ucrânia e notícias que confrontam tal perspectiva dificilmente são encontradas em pesquisas no Google. A Rússia é sempre retratada como uma autocracia, um império invasor e cruel que guerreia por mera ambição. Neste artigo, vou abordar apenas as manipulações relativas aos informes de guerra sobre captura de militares, rendições e óbitos, quando realizamos buscas no Google. A mídia costuma tratar as restrições do Google como exclusividade de ditaduras como a China e a Rússia. Nestes contextos, é fácil imaginar uma sociedade que não tem acesso a nenhuma informação crítica sobre si mesma. Porém, será que o mesmo não ocorre no Brasil e em outros países? Isto é o que esta matéria tenta questionar. 

Realizamos três buscas no Google no dia 7 de março, relativas a capturas, óbitos e rendições de soldados ucranianos. Posteriormente foi feita uma análise de conteúdo dos sete primeiros resultados de cada busca. Em alguns casos, abordamos um número maior de matérias.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A primeira busca realizada no Google foi a seguinte: Soldado ucraniano capturado. O primeiro link, da Carta Capital é sobre soldados russos capturados. O segundo link, do portal R7, também aborda o caso de um soldado russo capturado. O mesmo ocorre nos portais Ah, CNN, G1, Isto é, Correio Brasiliense, dentre outros. O Google omite as matérias que abordam a captura de soldados ucranianos? Não é crível que estes não estejam sendo capturados. Surpreende que as buscas resultem em matérias com assunto diferente do que foi buscado: buscamos por soldados ucranianos capturados, encontramos informações sobre soldados russos capturados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Também realizamos uma busca com a seguinte frase: - soldado ucraniano se rende. O primeiro link, da G1, aborda casos de soldados russos mortos. O segundo link, da G1, aborda casamento de militares ucranianos. O terceiro link, do R7, cita a captura de um soldado russo. O quarto e o quinto link, também do R7, abordam casos de rendição de soldados russos. Em seguida, aparece o portal SCC10 noticiando o mesmo caso. A mesma notícia também foi reproduzida pela Veja, Band, Terra, Uol, dentre outros. Tais portais parecem não noticiar os casos de rendição das tropas ucranianas. É possível observar, novamente, que a busca resulta em matérias divergentes do que foi pesquisado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por fim, realizamos a seguinte busca: soldado ucraniano morre. O primeiro link, do Terra, fala sobre um prefeito ucraniano morto. O segundo link, também do Terra, aborda a morte de um ator ucraniano. O terceiro link, do G1, é sobre a morte de outros civis. O quarto link, do Globo, noticia a morte de um general russo. O quinto link, da Isto é, trata da morte de um atleta ucraniano. O sexto link relata a morte de um soldado ucraniano, considerado herói. E o sétimo link aborda a morte de um soldado ucraniano no primeiro dia de guerra. Esta notícia, do dia 24 de fevereiro, foi reproduzida pelo Estado de Minas, Uol, R7 e Diário de Pernambuco. É possível observar que, mais uma vez, a busca resultou em matérias divergentes do que foi pesquisado. Buscamos por militares ucranianos mortos e o Google apresentou diversas notícias sobre civis ucranianos mortos. Além disso, incluiu uma matéria que, apresenta a morte de um soldado russo, quando a pesquisa era sobre militares ucranianos. A notícia da morte de um soldado ucraniano, que foi compartilhada por diversos portais, ocorreu no dia 24 de fevereiro. É certo que entre 24/02 e 07/03 diversos militares ucranianos perderam a vida. Um balanço de guerra, divulgado pela G1, no dia 2 de março, mostra que entre os mortos havia 7.000 soldados ucranianos e 498 soldados russos. .Como explicar que esta matéria não apareça na plataforma quando buscamos por soldados ucranianos mortos?

Por que as buscas realizadas no Google não trazem informações relativas a óbitos, rendições e capturas de soldados ucranianos? Haverá algum tipo de alinhamento com a linha editorial dos principais portais de notícias do ocidente? Destacar apenas os óbitos, rendições e capturas de soldados russos pode se prestar à manipulação ao criar sensação de que a Ucrânia está vencendo a guerra, uma falsa impressão sobre a realidade? Isso é algo muito grave e pode estar contribuindo para um derramamento de sangue desnecessário. Essa tática de manipulação da informação relativa a óbitos, capturas e rendições está em consonância com a campanha maciça para colocar a Rússia como a grande vilã do que ocorre atualmente na Ucrânia, sem apresentar o contexto histórico e os fatos e tentativas de negociação entre a Russia, OTAN e União Européia que culminaram com a invasão.   

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email