O juramento desfeito

O mais novo motivo para a minha dor fibromiálgica deve-se à notícia da morte do menino Miguel, que poderia ter sido evitada a partir de um simples sentimento: a paciência



Juro. Juro que tento trazer temas mais amenos aos que me leem, para alegrá-los em meio a tantas incertezas por que vivemos, afinal tenho uma certa gaiatice nata,  uma alegria parecida com a daquelas pessoas que não sabem sobre o peso da vida, apesar de sabê-lo. Todavia quando leio os jornais e navego nas redes sociais, sempre existe uma notícia que me tira do prumo, esconde o meu tão resiliente júbilo e faz emergir uma raiva contida no submundo das minhas entranhas. Como uma cronista consegue escrever sobre trivialidades, em meio a tudo isso? Era preciso que eu fosse uma neófita do chefe da nação para tanta indiferença, mas muito me honra não sê-la. Assumo a empatia e o sofrimento que essas notícias me causam.

O mais novo motivo para a minha dor fibromiálgica deve-se à notícia da morte do menino Miguel, que poderia ter sido evitada a partir de um simples sentimento: a paciência. A criança aguardava a mãe, empregada da família, voltar do passeio com o cãozinho da madame, enquanto o pequeno, provavelmente se sentindo fora do ninho na casa rica e hostil, chorava pela breve ausência  de quem o protegia. A primeira dama branca/loura, “Corte Real”, incomodada com o choro do menino/negro, “Silva”, o levou até o elevador do edifício, apertou um botão no alto do painel do elevador e a partir daí, com suas asas de anjo, Miguel Silva, voou em busca de sua mãe. Voou e não mais voltou. Deixando-nos, sua família e o Brasil, enlutados. 

Como se não bastasse a partida abrupta e inesperada da criança, a mãe do pequeno, Dona Mirtes, foi estampada nos jornais da grande imprensa como funcionária da prefeitura administrada  pelo marido de sua patroa. O que queria a imprensa? Apontá-la como funcionária fantasma para que suavizasse a culpa dos seus empregadores? Se o intento foi esse, não deu certo, apenas mostrou a previsível maracutaia na prefeitura de Tamandaré. Se a motivação foi denunciar a improbidade administrativa do prefeito, parece que deu certo, pois após a revelação  do imbróglio, o  Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público de Pernambuco resolveram tomar as devidas providências. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esse fato por si só já é horrível demais, entretanto acabou nos trazendo reflexões sobre a abissal distância entre ricos/brancos e pobres/pretos no país, pois as autoridades que atuaram a “Madame Corte Real” por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, não revelaram a sua identidade; já D. Mirtes e sua dor foram estampadas em todos os programas de TV, muitos deles, com perguntas inconvenientes, sem o menor respeito ao luto da família. Após a tragédia e o enterro do seu menino, a mãe, dolorosamente, compreendeu os versos do poeta: “Que a saudade é o revés de um parto; a saudade é arrumar o quarto; do filho que já morreu”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email