O mal que a naturalização dos absurdos faz ao país

www.brasil247.com - Marcelo Queiroga e Jair Bolsonaro
Marcelo Queiroga e Jair Bolsonaro (Foto: Alan Santos/PR)


Um twitter do bravo jornalista Xico Sá joga luz sobre uma das principais mazelas do país: “Três anos de governo Bolsonaro e zero mídia de herdeiros (Globo, Folha, Estadão, Zero Hora, etc) pra definir este governo como fascista ou extrema-direita...o q vc acha q irá acontecer se a tal terceira via não vingar como competitiva???”

Para além da constatação correta de que os barões da mídia podem apoiar Bolsonaro novamente, o post me levou a uma reflexão mais ampla sobre o papel central da imprensa na naturalização de absurdos atentados à democracia, a premissas republicanas e à saúde pública.

Nesta terça-feira (25), me chamou atenção como o noticiário da rádio CBN abordava os vetos e a sanção de Bolsonaro ao Orçamento da União aprovado pelo Congresso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A forma protocolar como foi citada a sanção de Bolsonaro ao famigerado “orçamento secreto”, como se fora uma mera decisão burocrática do Executivo na sua relação com o Legislativo, é mais uma elemento revelador do tipo de oposição para inglês ver, ou até a página dois, feita pelo cartel da mídia ao governo fascista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É estarrecedor que mesmo o Supremo Tribunal Federal, a quem cabe zelar pela Constituição, tenha tratado com frouxidão e leniência o orçamento secreto parido pelo Congresso Nacional. Essa jabuticaba brasileira em uma só tacada viola os cinco princípios básicos da administração pública, presentes no artigo 37 da Constituição: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ou seja, em qualquer democracia minimamente consolidada os responsáveis por essa afronta à lei maior do país estariam prestando contas à justiça. Por aqui, 17 bilhões de reais do erário são distribuídos pelos presidentes da Câmara dos Deputados (Lira é o pai do orçamento secreto) e do Senado, sob a rubrica mandrake de “emendas do relator”. Não por acaso os mais aquinhoados são os parlamentares do Centrão.

Nesta toada de normalizar o que não pode ser visto como normal, os principais jornalões publicaram, no fim de 2021, editoriais vociferando contra a decisão da CPI de taxar Bolsonaro de genocida, ainda que tenha ficado sobejamente provado que sua omissão na compra de vacinas, propaganda de medicamentos sem eficácia e incentivo diuturno ao descumprimento de medidas básicas de proteção, como uso de máscara e distanciamento social, tenham contribuído fortemente para centenas de milhares de mortes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A rigor Bolsonaro sequer merecia ser tratado pela mídia como presidente da República, pois ele personifica como nenhum outro mandatário na história do país uma ofensa permanente à dignidade da instituição Presidência da República. Para provar o viés ideológico dessa reverência prestada a Bolsonaro, basta lembrar que o líder venezuelano Nicolas Maduro só é chamado pela imprensa como “o ditador Maduro.”

Outra coisa: alguém em sã consciência pode levar a sério o médico Marcelo Queiroga como principal responsável pelas políticas de saúde ? No lugar dos holofotes ofertados a Queiroga para que ele dissemine insanidades contrárias à ciência e à vida, não seria a hora de os meios de comunicação darem voz e vez para os que defendem a cassação do diploma de Queiroga?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email