O mistério da distribuição de medalhas pela Biblioteca Nacional

"Qual a conveniência para pessoas totalmente alheias aos livros de receberem a Medalha da Biblioteca Nacional?", escreve a colunista Hildegard Angel

www.brasil247.com - Deputado Daniel Silveira
Deputado Daniel Silveira (Foto: Agência Câmara)


Por Hildegard Angel, para o 247

Perguntado sobre o motivo de lhe ter sido feita hoje a inusitada entrega da Medalha da Biblioteca Nacional, já concedida a grandes da literatura brasileira, como o poeta Carlos Drummond de Andrade, o deputado federal Daniel Silveira foi lacônico: “Não sei”.

Resposta econômica e bem diversa daquela que daria um douto das letras, um mestre das palavras, um escritor traquejado ou mesmo um leitor inveterado, ao ser surpreendido com tamanha distinção. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A curiosidade impõe, e a pergunta se coloca: qual a conveniência para pessoas totalmente alheias aos livros de receberem a Medalha da Biblioteca Nacional? 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não foi apenas o notório e marombado deputado Daniel Silveira, mas, conforme o noticiário, dezenas de pessoas ligadas ao clã Bolsonaro, inclusive ele próprio e Michele, foram distinguidos.

Vamos começar pela fonte de maior desconfiança: Prisão Especial. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como se sabe, o Código de Processo Penal concede a possibilidade de prisão especial não apenas aos diplomados em curso superior, mas também a ministros, governadores, prefeitos, secretários, vereadores, deputados, senadores, magistrados, oficiais das Forças Armadas e - aqui mora a possível chave da charada – “cidadãos inscritos no Livro do Mérito”.

E quem são esses meritórios cidadãos?

Vejamos o que diz o Artigo 1º do Decreto-Lei nº 1.706, de 27 de outubro de 1939, do Presidente da República, Getúlio Vargas, que instituiu o Livro do Mérito, usando para isso a atribuição que lhe confere o artigo 180 da Constituição:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Fica instituído o Livro do Mérito, destinado a receber a inscrição dos nomes das pessoas que, por doações valiosas ou pela prestação desinteressada de serviços relevantes, hajam notoriamente cooperado para o enriquecimento do patrimônio material ou espiritual da Nação e merecido o testemunho público do seu reconhecimento.”

Bem, não sabemos em quê tal elenco de emedalhados pela Biblioteca Nacional cooperou para o “enriquecimento do patrimônio material ou espiritual da Nação”, mas o artigo 2º dá uma pista:

“A inscrição (no Livro do Mérito) será ordenada por decreto, mediante parecer de uma comissão permanente de cinco membros, nomeados pelo Presidente da República.”

Tudo leva a crer que o mistério está desvendado. Afinal de contas, pelo andar da carruagem e conforme o ditado, “Seguro morreu de velho”. 

(Apoie o Jornalistas pela Democracia)

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email