O Ocidente caça gatos, enquanto provoca e persegue o urso

"Fustigaram o urso, agora caçam gatos. Oxalá não impeçam com o delírio punitivista que se busque o caminho da paz", escreve o editor José Reinaldo Carvalho

www.brasil247.com - Vladimir Putin
Vladimir Putin (Foto: Sputnik/Nikolai Khizhniak)


Por José Reinaldo Carvalho - A notícia mais cretina e incrível, em meio à crise humanitária na Ucrânia, no oitavo dia da guerra no Leste Europeu, foi gerada na Federação Internacional de Felinos (FIFe). A organização proibiu gatos de propriedade russa de competir em seus shows, em represália à operação militar especial desencadeada no dia 24 de fevereiro. Felinos pertencentes a residentes russos serão proibidos de entrar nos shows da FIFe. Além disso, nenhum gato criado na Rússia pode ser importado e registrado em um livro de pedigree da FIFe, disse a federação. 

O despacho afirma ainda que as sanções permanecerão em vigor até pelo menos maio e podem ser estendidas, dependendo do que acontecer na Ucrânia. A FIFe disse que usará parte de seu orçamento para apoiar criadores e criadores de gatos na Ucrânia. “Nossos colegas criadores de felinos ucranianos estão tentando desesperadamente cuidar de seus gatos e outros animais nessas circunstâncias difíceis”, disse a federação.

Como se vê, a perseguição internacional à Rússia vai muito além do cerco militar, do fornecimento de armas à Ucrânia e das severas sanções econômicas. Outras organizações fora do âmbito político, diplomático, militar e midiático também foram mobilizadas para promover o isolamento total da Rússia. Atletas russos foram impedidos de participar em competições internacionais e músicos estão sob  o impacto do rompimento de seus contratos profissionais no exterior.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Depois de décadas promovendo o cerco à Rússia, expandindo as forças da Otan na direção do seu território, implantando armas nucleares nas regiões central e oriental da Europa, além da ocidental, ocupada desde há mais tempo, parece que as potências imperialistas ainda não compreenderam o caráter do povo russo, o horizonte de sua estratégia, o pragmatismo de sua diplomacia e a capacidade dos outros fatores do poder nacional russo. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Há muito tempo, no mínimo um quarto de século, o país eurasiano enviou mensagens aos poderes ocidentais, pedindo apenas garantias de que sua segurança não seria ameaçada. Para não me perder em detalhes, relembro apenas o discurso do presidente Vladimir Putin na Conferência de Segurança de Munique, em 2007, sua entrevista coletiva à imprensa nacional e internacional de 23 de dezembro do ano passado e os memorandos enviados pela Chancelaria russa à Secretaria de Estado dos Estados Unidos e à Otan. 

Os EUA e seus parceiros na Otan atiçaram um clima belicista na Europa Oriental contra a Rússia, acenderam as chamas da guerra e fixaram o ponto de não retorno. Impactados com a reação russa, empenham-se agora na operação de isolamento total. Ideologizam o embate, caracterizando o confronto como uma luta entre os regimes “democráticos” e os “autocráticos”, em clara sinalização de que não visam apenas à Rússia. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A estratégia atual das potências imperialistas é o corolário de uma situação caótica que se instalou no velho continente e afeta todo o planeta. Situação que urge ordenar, a partir de um novo pacto baseado em nova concepção de arquitetura de um sistema e segurança, em que um dos lados não seja impunemente ameaçado. EUA, União Europeia e Otan fingem que não veem, até que as populações européias sintam que é a própria segurança que se encontra ameaçada, com a presença de bases militares e armas nucleares estadunidenses em seu território. 

No momento em que o país das noites brancas concertou com a China uma amizade perene, dando um passo fundamental para a fundação de um novo sistema internacional multipolar, os Estados Unidos, vivendo um prolongado processo de declínio e atônito com a perda do seu poder unipolar, pretende instaurar uma nova guerra fria, cujo marco não será mais Berlim, mas a Ucrânia, país que escolheram, em cumplicidade com seus parceiros europeus, como bucha de canhão para uma guerra tão inútil como perdida, ao preço de impagável crise humanitária. 

Fustigaram o urso, agora caçam gatos. Oxalá, não impeçam com o delírio punitivista e isolacionista, que se busquem, por meio da negociação, os caminhos que conduzam ao restabelecimento da paz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email