O outro lado

"O 'outro lado', ninguém se engana, é toda e qualquer oposição ao demente que ora nos governa, mas Ramos e a camarilha fardada instalada nos cargos do governo federal miram sempre a esquerda", escreve o jornalista Leandro Fortes

www.brasil247.com - General Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria do Governo, e Jair Bolsonaro
General Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria do Governo, e Jair Bolsonaro (Foto: Agência Brasil)


Por Leandro Fortes, para o Jornalistas pela Democracia 

No mesmo dia em que o comandante das Forças Armadas dos Estados Unidos, general Mark Milley, pediu desculpas por participar de uma palhaçada ao lado do presidente Donald Trump, outro general, o brasileiro Luiz Eduardo Ramos, chefe da Secretaria de Governo, inaugurou um novo tipo de puxa-saquismo, a bajulação quatro estrelas: confessou ter se infiltrado em uma manifestação contra Jair Bolsonaro, em Brasília, na qual afirma ter detectado petistas disfarçados de verde e amarelo.

Milley, maior autoridade militar dos EUA, arrependeu-se de caminhar da Casa Branca até a Praça Lafayette, onde o Trump tirou uma foto com uma Bíblia, em frente a uma igreja danificada por manifestantes, durante atos antirracismo pela morte de George Floyd, asfixiado por um policial branco, em Minneapolis. Na visão do general do império, a presença dele passou a impressão que os militares americanos têm permissão constitucional de se agregar à política comezinha dos governantes locais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não têm, nem querem ter. Não no país deles. Deixam isso para os serviçais das repúblicas de bananas, como o Brasil de hoje, onde o general Ramos, ainda na ativa, concede uma entrevista informando que, embora o Exército não queira participar de um golpe de Estado, é bom o outro lado não esticar a corda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O “outro lado”, ninguém se engana, é toda e qualquer oposição ao demente que ora nos governa, mas Ramos e a camarilha fardada instalada nos cargos do governo federal miram sempre a esquerda – ou os “comunistas”, fantasmas que todas as gerações de milicos pós-1964 perseguem de forma tão estúpida quanto obsessiva. Não por outra razão, o general colocou, segundo ele próprio, gorro e óculos escuros para se infiltrar entre o inimigo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estamos falando de um homem feito, de 64 anos, militar da ativa, que, ao invés de estar comandando uma tropa – missão para a qual o contribuinte lhe paga salários, há mais de quatro décadas –, dá-se ao desfrute, em plena pandemia de Covid-19, de ficar sassaricando em meio à multidão.

Assim como o general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (o que é uma piada pronta), e o atual ministro da Saúde, o inefável general Eduardo Pazuello, o secretário Luiz Eduardo Ramos é resultado do esquecimento a que foram relegados os militares, depois da redemocratização do País, em 1985.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Deixados à própria sorte, sem que nenhuma intervenção do poder civil fosse feita nas escolas de formação, a milicada estagnou-se na guerra fria e no único papel que lhes foi dado, naquele teatro de outrora: o papel subalterno de exército de ocupação, com a missão de caçar, prender, torturar e assassinar patrícios de esquerda.

O resultado dessa vida perdida no anacronismo é essa tragédia verde-oliva que se convulsiona, melancolicamente, no Palácio do Planalto.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email