O pai de Suzane Richthofen era operador do PSDB?

Lembrei-me da acusação de um promotor, feita à época do parricídio, de que o pai dela, funcionário da DERSA, era, na verdade, um operador do PSDB e guardava milhões de dólares em contas na Suíça. Por que, na ocasião, não se investigou a fundo esse fato?

www.brasil247.com - Lembrei-me da acusação de um promotor, feita à época do parricídio, de que o pai dela, funcionário da DERSA, era, na verdade, um operador do PSDB e guardava milhões de dólares em contas na Suíça. Por que, na ocasião, não se investigou a fundo esse fato?
Lembrei-me da acusação de um promotor, feita à época do parricídio, de que o pai dela, funcionário da DERSA, era, na verdade, um operador do PSDB e guardava milhões de dólares em contas na Suíça. Por que, na ocasião, não se investigou a fundo esse fato? (Foto: Lula Miranda)


Ao ler, recentemente, nos grandes jornais, a notícia de que a jovem Suzane Richthofen conseguira o benefício da progressão da sua pena para o regime semiaberto, lembrei-me desse crime infame do qual até já me havia esquecido.

Porém, lembrei-me, também, da acusação de um promotor, feita à época do parricídio, de que o pai dela, funcionário da DERSA, era, na verdade, um operador do PSDB e guardava milhões de dólares em contas na Suíça.

Por que, na ocasião, não se investigou a fundo esse fato?

Já se passaram mais de 10 anos!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por que a grande imprensa silenciou a esse respeito?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não seria o caso da PGR, aproveitando-se desse novo protocolo de colaboração com o órgão equivalente ao Ministério Público na Suíça, solicitar informações sobre essas supostas contas do finado Sr. Richthofen? Elas de fato existem ou existiram? Ou não passam de “ilações” e “infâmia”. E em caso afirmativo, elas estão sendo (ou foram) movimentadas por alguém? Quem eram os seus beneficiários? Onde foram parar esses milhões de dólares?

São perguntas que, a bem da verdade, carecem de respostas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Afinal, o Sr. Richthofen era ou não era um operador do PSDB?!

Por que um promotor levantaria essa suspeita, na ocasião desse medonho assassinato, se não houvesse ao menos indícios da materialidade de crime (de caixa 2 ou lavagem de dinheiro)?

Volto a perguntar, como já fiz, reiteradas vezes, de modo insistente, em textos anteriores a este: por que só as suspeitas relativas a membros do Partido dos Trabalhadores e seus aliados interessam à grande imprensa, à PF,  ao MP e à Justiça?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por exemplo, e Paulo Preto? Personagem que transitava com desmedida desenvoltura na máquina de governo do PSDB em São Paulo, e também foi acusado de ser operador do partido na DERSA? E que, supostamente, segundo acusações (infundadas?) de membros destacados do próprio PSDB, desviara cerca de US$ 4 milhões do caixa 2 daquela agremiação.

Está aí uma boa pauta para o jornalismo investigativo – não é mesmo?

Mas por que será que não há interesse por esse tipo de pauta?

Por que será?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email