O palanque da ditadura desfigurada

A esperança vencerá o medo? Talvez. Quando a bajulação e a corrupção deixarem de existir

(Rio de Janeiro) A Tropa da Brigada de Infantaria Paraquedista desfila em continência ao Presidente da República.
(Rio de Janeiro) A Tropa da Brigada de Infantaria Paraquedista desfila em continência ao Presidente da República. (Foto: militares)

Hoje quando me deparei com a foto oficial do desfile militar de Sete de Setembro,divulgada na internet, senti arrepios. Eu vi o semblante da altivez profunda. E fiquei meditando, quem somos nós? Talvez sejamos mesmo assim, tenhamos um rosto de orgulho, por vezes, travestido de falsa modéstia.

O orgulho, pai de todos os vícios pariu o egoísmo. Esta referência é filosófica, e deoutra forma não poderia ser justificada. Dominar o orgulho e o egoísmo obviamente não e uma tarefa fácil; afinal ambos são chagas; sendo o Egoísmo o mais poderoso entre os filhos do Orgulho.

Tais vícios: Orgulho e egoísmo estavam impregnando cada expressão no palanque daDitadura. O palanque que comemora a vitória do fascismo, ou da maneira de governar sobre o povo e nunca para o povo. As expressões conspícuas de um bispo, de um empresário televisivo, de sua esposa, e de um presidente; conduziram-me às tribunas da Roma Antiga, ou às sacadas encharcadas de czares de uma Rússia senhorial: Uma bancada de inumanos seres, que em seu princípio de existência já delineavam o orgulho e egoísmo, por instinto, a priori.

O Homo erectus, ao dar seus primeiros passos para o bipedismo migrará com aintenção de explorar o Planeta - e ao fazê-lo abandonará à própria sorte seus estorvos (os doentes e os moribundos de seu bando) ele só aprenderá a enterrar seus mortos na condição de Homo neanderthalensis - estaria ele sendo despertado pelas virtudes?

Virtudes? Quais seriam as disposições para praticar o bem? Como a coragem, oamor, a humildade e a paciência... afinal nesta batalha das virtudes contra os vícios, vivemos sob os auspícios amargos de ditaduras, sejam elas de chumbo, de cobre, ou pintadas de verde e amarelo.

De verde e amarelo se trajavam as figuras vivas da opressão, do descaso, da impostura,da injustiça, dependuradas em um palanque onde o conservadorismo faz ode ao capital. E o tributo ao Sete de Setembro, que sempre ocupou um lugar militar na vida do oprimido, torna-se hoje a farsa grotesca de uma Sucupira institucionalizada.

Enterramos nossos mortos e os homenageamos, desde a era neanderthalensis, e(desenvolvemos o sentimento), mas entre nós já existe uma nova espécie que deverá (em breve) ser catalogada pela taxonomia: o Homo mendacium.

O palanque armado para o grande desfile do dia que comemora o Golpe daIndependência de 1822 demonstra que nunca deixamos de ser a Colônia sombreada por um eterno Cadafalso edificado pelo logro.

A esperança vencerá o medo? Talvez. Quando a bajulação e a corrupção deixarem de existir.

#LULALIVRE

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Jandira Feghali

O massacre como política

Quem deterá o governador Witzel? Com certeza não será sua humanidade, já que comprovou não lhe restar nenhuma. É preciso transformar nossa indignação em protestos e ações institucionais e políticas...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247