O povo brasileiro tem que ir pra rua?

A professora Elenira Vilela escreve sobre as manifestações marcadas para o próximo sábado, 29 de maio, contra Bolsonaro e pelo direito à vida

www.brasil247.com -
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Elenira Vilela

Nestes últimos dias algumas pessoas têm questionado a mudança de tática dos movimentos sociais, particularmente a Frente Nacional Fora Bolsonaro (que inclui as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, Coalizão Negra por Direitos e as centrais sindicais) que depois de não indicar a organização manifestações de rua no primeiro de maio convoca as manifestações de 26 de maio em Brasília por “Comida no Prato e Vacina no Braço”, com alguns estados organizando atos paralelos e, principalmente, convoca mobilizações em todo o Brasil pelo Fora Bolsonaro, auxílio emergencial de 600 reais, vacina pra todes e outras pautas dos movimentos sindicais, sociais e populares no dia 29 de maio próximo.

Muitas pessoas têm considerado incoerência e mesmo irresponsabilidade convocar mobilizações massivas em tempos de pandemia e que perderemos a narrativa de que somos os que seguem a ciência, porque estaremos promovendo aglomerações tal qual Bolsonaro. Se você pensa algo assim, é exatamente com você que quero conversar, Vamos refletir juntos?

PUBLICIDADE

Mas primeiro quero compartilhar aqui as orientações dos médicos populares sobre essa participação:

“COMO REALIZAR ATOS DE RUA COM PROTEÇÃO

Guia de segurança sanitária na pandemia

PUBLICIDADE
  1. As manifestações devem ser feitas SEMPRE em local aberto e bem ventilado
  2. Manter distanciamento de 2 metros entre manifestantes.
  3. Uso de máscara deve ser obrigatório, de preferência, PFF2/N95 ou máscara cirúrgica embaixo da máscara de pano. Sempre bem ajustadas no rosto, sem vazamentos.
  4. Recomendamos aos movimentos que puxam as manifestações que forneçam máscaras adequadas àqueles que não possuem.
  5. Muito importante pensar no deslocamento até o ato. Preferir transportes com janelas abertas e usar máscara o tempo todo.
  6. Não deve haver abraços ou beijos. Evitar compartilhar objetos pessoais, água e alimentos.
  7. Lavar as mãos ou utilizar álcool em gel sempre que for tocar nos olhos, boca, nariz ou na máscara.
  8. Leve máscaras extras para outras pessoas que necessitam.
  9. Não devem participar as pessoas com sintoma suspeito de Covid-19 ou teste positivo, ou ainda que tiveram contato com pessoas com sintomas ou teste positivo.

Exemplos de sintomas: Tosse, Febre, Cansaço, Dor de cabeça, Coriza, Congestão nasal,

Dor de garganta, Perda de olfato ou paladar, Falta de ar e Diarreia.

Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares

PUBLICIDADE

E eu ainda acrescento que as coordenações e organizações, assim como os militantes saibam que não devem manter o ato em caso de chuva, porque a máscara não protege se estiver molhada.

Vou tentar responder às perguntas que me chegaram com mais frequência. Abra sua mente pra importância da luta e vamos lá!

Primeira questão: mudamos de posição porque sempre estivemos errados em ser contra atos de rua? E a pandemia está pior, porque agora?

PUBLICIDADE

Antes a ampla maioria das organizações defendia que não chamássemos manifestações de rua de massa, a não ser em casos específicos. O que boa parte das pessoas que estão defendendo o chamamento é que as condições mudaram e que uma determinada tática é adequada para um momento e deixar de ser em outro momento e esse é o caso.

No início da crise pandêmica, apesar de o governo federal tentar boicotar, parte significativa dos governadores e prefeitos adotou medidas importantes de restrição de circulação e em algum tempo (não dá pra dizer pouco, porque pra quem precisa é sempre uma eternidade, mas foi um intervalo de 2 meses aproximadamente) foi aprovado um auxílio emergencial significativo, que dava condições a boa parte da população o direito ao distanciamento social, havia a MP que permitia a redução de jornada com redução de salário, que apesar de ser contrária a tudo que defendemos garantiu que por algum tempo muitas pequenas e micro empresas não fechassem e mantivessem o vínculo com diversos trabalhadores, as praticamente todas as instituições educacionais estavam com aulas presenciais suspensas, além dos transportes coletivos ter serviços suspensos ou restringidos, havia o decreto de calamidade pública em vigência e as leis que permitiam que mais decisões fossem tomadas por vias remotas. 

Tudo isso significa que ainda que precariamente e com muitos problemas, uma parte bastante significativa da população tinha condições objetivas de colocar em prática o distanciamento físico e a redução da exposição de maneira efetiva e consistente, por isso o Brasil, apesar do governo federal, conseguiu salvar muitas vidas e postergar o colapso do sistema de saúde e com essas condições objetivas dadas seria muito errado colocar pessoas que tinham chance de se proteger em condições de exposição.

Como está agora?

Agora a população está praticamente toda tendo que ir às ruas: não há, salvo honrosas exceções, determinações consistentes de restrições de circulação por governadores e prefeitos - depois de bastante pressão da burguesia, aí incluídos em sua absoluta maioria banqueiros, latifundiários e as maiores associações patronais dos três setores da economia. 

A população ficou por 4 meses sem acesso a nenhum tipo de renda emergencial, depois de ter recebido - por escolha do governo federal - um valor de 300 reais por 3 meses e quando retorna em abril passa a receber valores que não conseguem comprar sequer uma cesta básica na maior parte do país, menos ainda dá acesso à gás para cozinhar, a possibilidade de pagar aluguel, remédios e outras despesas essenciais. O desemprego e o fechamento de micro e pequenas e mesmo de grandes empresas é recorde. A inflação, especialmente nos alimentos e energia aumentou assustadoramente. A precarização do trabalho explodiu. Quem está de fato em isolamento social? Uma pequena parte da classe média e da classe alta. A classe trabalhadora quase toda está na rua e exposta e está morrendo pelo governo que tem a morte como projeto.

Nessas condições, e depois de mais de meio milhão de brasileiros tendo perdido a vida (considerando os dados estimados das mortes excedentes por síndrome respiratória aguda grave - SRAG) parar o governo é uma medida não apenas necessária, mas urgente e imprescindível.

Mas decidir ir à manifestação não te libera de respeitar o isolamento que você consegue fazer, pelo contrário, até pra resepitar quem estará lutando com você aumente seus cuidados e evite ao máximo sair de casa, permanecer em ambientes fechados quando não for imprescindível.

Segunda questão: mas não podemos escolher outras formas de lutar contra o governo?

Já diria Paulo Leminski que “na luta de classes todas as armas são boas pedras noites poemas” e está correto

Mas é preciso ver que muitas formas já foram tentadas. Fizemos transmissões virtuais (as famosas lives), notas de repúdio, abaixo assinados virtuais, pedidos de impedimento ao presidente e alguns de seus ministros protocolados, processos judiciais diversos em muitos órgãos nacionais e internacionais, denúncias nacionais e internacionais, tuitaços, envios de mensagens eletrônicas para autoridades, carreatas, panelaços, atos simbólicos e intervenções artísticas e se percebe que todas elas foram importantes para enfraquecer o governo, mas se mostram ineficientes para fazê-lo interromper o projeto de morte e passar a encaminhar outro projeto ou para interromper o governo em si.

E a história da luta dos trabalhadores do Brasil e do mundo mostra: o que derruba governos e altera de maneira radical (no sentido de buscar a raiz das questões e alterá-las) diretrizes e programas governamentais ou nacionais é a luta de rua.

Temos visto que não somente o povo brasileiro está se sentido impelido a ir pras ruas, no período da pandemia tivemos grandes manifestações massivas nos EUA, na Argentina, Colômbia, Chile, Bolívia, entre outros. No Brasil tampouco é a primeira vez que há convocações de atos nesse período, tanto nas campanhas do Black Lives Matter (VIdas negras importam - que ocorreram no Brasil em solidariedade aos que aconteceram em solidariedade à luta nos EUA), no 13 de maio (ato da Coalizão Negra de Direitos) contra o genocídio da juventude negra após a Chacina de Jacarezinho, os atos de profissionais de saúde por condições de trabalho ou contra a retirada de direitos desses profissionais durante a pandemia, atos de professores em greve pelo direito de não serem obrigados a atuar presencialmente sem segurança de saúde para toda a comunidade escolar, entre outros.

O chamado de conjunto é que é a novidade e certamente não foi uma decisão simples de se tomar. Mas é a falta de opção e não a opção que determina essa decisão.

Terceira pergunta: Não estamos nos igualando aos negacionistas ao chamar aglomeração?

Não! Você pensa que a violência dos movimentos antirracistas dos EUA ou a revolta do povo italiano contra Mussolini são equivalentes à política racista das polícias dos EUA e à violência do regime fascista? O piquete na porta da greve é equivalente à violência da exploração ou da retirada de direitos? Não!

A classe trabalhadora, as populações oprimidas reagirem às opressões e exploração tem legitimidade completamente diferente do Estado de um país ou de sua burguesia reagindo a elas. Nossa revolta, resistência e reação são legítimas!

Também não estaremos nos igualando porque iremos mesmo seguir orientações de prevenção: faremos nossos atos em locais abertos, pedimos que pessoas com comorbidades ou situações precárias não devem ir, estaremos usando máscaras certificadas e inspecionadas e organizados para manter distanciamento e nos comportando com muitos cuidados.

Mas será que essas orientações serão respeitadas? Essa é uma responsabilidade coletiva. É fundamental que além da coordenação geral e das comissões de segurança, os atos tenham organizadas comissões de saúde e que cada um e cada uma que for se preocupe em atender às recomendações e também ajude a recomendar aos companheiros e companheiras atenção a essas orientações.

Quarta Pergunta: Mas os riscos estão cada vez maiores e a circulação do vírus descontrolada, não podemos esperar uma melhora para ir às ruas?

A principal questão é que não há nenhuma perspectiva de que o dia da suposta melhora exista em pequeno ou mesmo médio prazo. A falta de políticas de isolamento social consistentes, de uma política de garantia de renda mínima para que as pessoas tenham condições de respeitar essas medidas, sem testagem em massa, sem acompanhamento de casos e contágio, sem uma vacinação em velocidade eficaz, nem medidas de restrição de circulação nas fronteiras, possibilitando a entrada e o surgimento de variantes, entre outras medidas, não há perspectiva efetiva de melhora minimamente consistente para que fosse menos inseguro fazer atos massivos.

Sem dúvida esse é um momento bastante ruim para mudar de posição. Mas contraditoriamente é por isso que precisamos agir urgentemente. As medidas necessárias para que haja uma melhora só serão tomadas com a derrubada ou uma pressão popular gigante sobre o governo que continuará sendo feita por todos os outros meios e será fortalecida pela forma de luta que tem maior chance de tornar o isolamento social e todas as outras medidas efetivas.

Quinta Pergunta: Mas a gente não vai ser acusado de sermos incoerentes e não iremos perder a narrativa, dando o famoso “tiro no pé?”

Os trabalhadores da prefeitura de Florianópolis organizados pelo SINTRASEM estão em sua segunda greve deste ano. Inicialmente os trabalhadores da COMCAP - Empresa Pública de Coleta de Lixo e Manutenção de áreas públicas fizeram uma longa greve contra a privatização da empresa e por respeito ao acordo coletivo e agora os trabalhadores em educação estão em greve para resistir à imposição do retorno às aulas presenciais sem condições sanitárias. Foram acusados pelos penas de aluguel da justiça e imprensa burguesas, pelas entidades empresariais e pelo prefeito e demais políticos defensores do genocídio e do desmonte de incoerência. Organizaram atos públicos de rua e panfletagens, além de atividades de debate com a população nos bairros e são acusados de desrespeitar o isolamento. Mas qual a novidade que há nisso? Quando fazíamos longas greves das universidades éramos acusados de destruir a instituição pela qual lutamos e de sermos contra os estudantes, quando fazemos greves contra a privatização de empresas públicas muitas vezes dizem que a existência das greves frequentes é o motivo que justificaria as privatizações, quando paralisamos as empresas de transporte nos acusavam de destruir a rentabilidade das empresas que por isso não poderiam dar reajustes, quando fazíamos manifestações contra a ditadura defendendo a liberdade, fomos acusados de restringir o direito de ir e vir ou de sermos comunistas e supostamente contra a liberdade, quando lutamos contra o machismo que o fato de mulheres estarem somente de sutiã ou de chamar a manifestação de marcha das vadias ou de reclamarmos contra atos machistas é que geraria o repúdio ao feminismo ou ao famoso mimimi.

Nós teremos que disputar a narrativa, como fizemos em toda a história das lutas da classes e contra as opressões.

E uma parte importante dessa narrativa é respeitar rigorosamente as recomendações que fazemos a nós mesmos e mesmas e divulgar como nossos atos são visualmente e de fato completamente diferentes das aglomerações do governo genocida. Infelizmente a realidade praticamente nos obriga a que quebremos o mínimo de medidas de restrição que há pra lutar para que haja restrições efetivas, que precisam ser rígidas.

Sexta Pergunta: Essa manifestação vai ser eficaz? Será capaz de derrubar o Bolsonaro? Temos garantia de que reuniremos um número suficiente de pessoas para obter esse resultado?

Não. Jamais tivemos essa garantia em qualquer luta e certamente um único dia nacional de lutas não será suficiente para derrubar o governo.

Mas qual foi a luta que iniciamos tendo essa certeza? Que greve, mobilização, luta, revolta ou revolução foi iniciada com a gente tendo 100% de certeza da vitória e garantia de 0% de riscos?

Porém se adotássemos uma postura de somente iniciar movimentos na história com essas certezas teríamos uma única certeza: o total imobilismo, porque isso jamais será possível. Claro que isso está longe de significar a defesa do voluntarismo, espontaneísmo e da não avaliação de possibilidades de vitória e luta para minimizar os riscos ao máximo e que cada risco corrido seja com grande possibilidades de vitória. 

Mas sem a menor dúvida não é o que está acontecendo.

Somente alguém que não tem a menor ideia de como uma decisão dessa é tomada ou como ela foi tomada nesse caso. 

Há mais de 8 meses esse debate tem permeado a organização dos movimentos sociais, essas questões foram levantadas e debatidas em muitos momentos, na aprovação de atos simbólicos anteriores, intervenções artísticas ou de impacto visual, na organização de datas importante do calendário de lutas geral como o 20 de novembro, o 8 de março e o Primeiro de Maio entre outros essa questão sempre foi levantada e neste momento, ainda com bastante polêmica, mesmo o mais rígido opositor nestes fóruns ou organizações (articulação de centrais sindicais, Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, Frente Fora Bolsonaro…) entendeu que não é mais possível adiar. É absolutamente urgente e impossível de protelar mais. Inclusive essas mesmas direções e coordenações têm sido acusadas de imobilismo, tem sido cobrada do porquê somente o Brasil não vai pra rua se talvez seja um dos países que mais tem motivos. Então se você pressiona hoje chamando isso de voluntarismo e irresponsabilidade, saiba que há muito mais tempo iniciou a pressão contra o imobilismo e a irresponsabilidade de “não fazer nada efetivamente”.

Se mesmo depois que você leu tudo isso você não se sente confortável participar saiba que ninguém vai te crucificar, porque é perfeitamente compreensível que nessas condições muitas pessoas optem por não se colocar em risco. Aliás a organização dos atos está solicitando que só vão pessoas que se julguem em condições concretas: com boa saúde, sem comorbidades, vacinados, sem sintomas, sem convivência com pessoas com sintomas ou com comorbidades, ninguém nessas condições deve se colocar em maior risco do que o que já vivemos. Se você estiver nessa condição, contribua dando visibilidade e repercutindo ao máximo o ato que acontecer. Compartilhe nas suas redes sociais, assista transmissões ao vivo do dia e gere engajamento (comentando, curtindo, compartilhando, salvando), compartilhe inclusive em seus grupos do whatsapp, principalmente os de fora da nossa bolha (condomínio, lista da escola dos filhos, da família, do futebol… argumente, mostre que Bolsonaro precisa cair, comente que concorda com as pautas, ajude na narrativa.

Por último, é preciso conversar com quem está atuando pra desmobilizar: isso é desonesto, anticlassista e contraproducente. Uma coisa é a gente compreender que determinado companheiro vota contra a greve porque não tem condições de fazê-la por correr o risco de ter a família passando fome, porque sustenta uma pessoa doente que paga remédios caros, porque tem uma determinada situação particular que impõe mais dificuldades do que aos outros. Mas se você é a pessoa que fica mandando mensagens com o recado do patrão pra esvaziar o movimento você se torna um pelego e será combatido. Existe concretamente uma decisão conjunta do movimento popular e de esquerda em praticamente todas as organizações e frentes que foi democraticamente debatida - tal qual a assembleia é a instância soberana para deliberar a greve - que decidiu pelo ato e sua obrigação se você faz parte desse campo é respeitar essa decisão. Criticá-la em âmbito interno e ajudar a construir outras formas de luta, que seguem necessárias. Mas desmobilizar ajuda o Bolsonaro, não vai fazer com que não tenha o ato e só vai servir talvez pra você tentar provar sua previsão autorrealizável de que o ato seria um erro. Não quer participar, não vá. Mas não desmobilize quem se dispõe a colocar a cara no sol e fazer tudo que está a seu alcance para derrubar Bolsonaro o quanto antes.

“Quando o povo decide ir às ruas no meio de uma pandemia é porque o governo é pior do que o vírus”.

#SóALutaMudaAVida

#Vidas AcimaDosLucros

#EssencialÉAVida

#ComidaNoPratoEVacinaNoBraço

#600PeloBrasil

#ForaBolsonaro

#SocialismoOuBarbárie

(Publicado originalmente no Desacato)

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email