O que a França diz ao Brasil?

Le Pen e Macron no segundo do turno, novamente é a hegemonia do voto anti-establishment. Tendência nas grandes economias. Le Pen dispensa apresentação. Macron é jovem, vem do mercado (banqueiro) e tem quase nenhuma experiência política

Le Pen e Macron no segundo do turno, novamente é a hegemonia do voto anti-establishment. Tendência nas grandes economias. Le Pen dispensa apresentação. Macron é jovem, vem do mercado (banqueiro) e tem quase nenhuma experiência política
Le Pen e Macron no segundo do turno, novamente é a hegemonia do voto anti-establishment. Tendência nas grandes economias. Le Pen dispensa apresentação. Macron é jovem, vem do mercado (banqueiro) e tem quase nenhuma experiência política (Foto: Leopoldo Vieira)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Le Pen e Macron no segundo do turno, novamente é a hegemonia do voto anti-establishment. Tendência nas grandes economias. Le Pen dispensa apresentação. Macron é jovem, vem do mercado (banqueiro) e tem quase nenhuma experiência política.

A esquerda moderada (Partido Socialista/Hollande) prometeu empregos e entregou desemprego, prometeu política tolerante de acolhimento aos imigrantes (uma é parte da solução da outra, não?) e entregou baixa segurança com retórica da extrema-direita pensando em se apropriar dela. Levou uma corsa.

Enquanto a esquerda radical filosofou, a extrema-direita fez propostas concretas ao coração dos mais pobres e trabalhadores, com dialeto sentimental no ponto para quem experimenta uma crise econômica grave: o inimigo externo, a tradição interna, o medo, a raiva e o ódio.
Agora, a esquerda moderada, a esquerda radical e a direita democrática terão de apoiar o liberal Macron contra o 'mal maior': Le Pen (que tem torcida do 'herói' Putin, de Trump e de Thereza May).

Como registro, vale lembrar que quando no período entre guerras, liberais, social-democratas e comunistas resolveram se acusar e se combater, terminaram abrindo alas para a extrema-direita vencer nas barbas da democracia liberal - é verdade, implodida pelo fundamentalismo do liberalismo econômico daquela época.

Só a derrotaram quando formaram uma aliança militar.

No pós-gerra, a tácita 'coexistência pacífica' ou 'guerra fria' entre ambos, ao menos na Europa, permitiram a consolidação do welfare state, o boom econômico (no Oeste) e sair da Idade Média (no Leste). Nos EUA, os liberais encontraram um eficiente caminho, o New Deal, que fundou o social-liberalismo do Partido Democrata, que o tornou o guarda-chuva do progressismo, sobretudo após o macartismo marginalizar as antigas organizações socialistas e comunistas referenciadas em teóricos europeus (Marx, Lenin etc). Não se pode dizer que a conta ficou barata, no Leste Europeu e URSS, para os liberais.

Fato é que a lógica e o pragmatismo do New Deal viria muito a calhar para o mundo hoje, já alertaram estudiosos do próprio FMI.
Um pouco do que prometeu e não entregou Hollande, e do que tenta, com calma, Tsipras.

O que farão liberais, social-democratas e comunistas no contexto hodierno, muito semelhante aos anos 30?
Vale mirar o consórcio democrata-cristão/social-democrata de Angela Merkel, um dos mais bem sucedidos governos do mundo, e que pode continuar, quiçá, com um primeiro-ministro do Partido Social Democrata (SPD) agora encabeçando.

Não é bom esquecer, antes de rejeitar a hipótese, que Allende e Goulart só foram considerados e observados nos anos 90 e 2000. Se antes, poderiam ter sido evitados erros desnecessários da esquerda. Tal como Roosevelt deveria ter um mausoléu doutrinário mais frequentado e ecumênico do que ser apenas divulgado como alguém que safou os EUA do crash de 1929. O legado dele transcende Churchill na ode à democracia representativa e mostra aos Hayek, Friedman et alii, como se faz de um limão uma limonada, com sabor parecido à bebida ofertada por Obama e Lula em seus respectivos países.

Em suma: por aqui tem que ir para a frente aquela roda de viola do Instituto Lula/Fundação Perseu Abramo-Instituto FHC/Fundação Teotônio Vilela. E a Fundação Ulysses Guimarães tem que ser convidada. Ainda que só vá parte da diretoria. Antes que todos tenham que estar juntos contra um 'mal maior'. E ainda que não venha a ser o caso, o Brasil não repita, por ter antecipado algum nível civilizado de concertação, os impasses dos dias que seguem.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247