O que afinal é violação da soberania nacional

O fato terrível é que, para muitos, sequer a palavra soberania tem um significado concreto. Parece uma abstração retórica. Algo que não tem nada a ver com a vida cotidiana das pessoas

PNG 2018/2022 da Petrobrás sumiu com US$ 25 bilhões da geração de caixa
PNG 2018/2022 da Petrobrás sumiu com US$ 25 bilhões da geração de caixa (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alguns políticos – entre os quais um dos mais destacados nessa área, Roberto Requião - tem clamado no deserto contra a violação da soberania brasileira por parte do atual governo entreguista. No deserto, sim, porque a nação ao que parece ainda não o escuta. E o fato terrível é que, para muitos, sequer a palavra soberania tem um significado concreto. Parece uma abstração retórica. Algo que não tem nada a ver com a vida cotidiana das pessoas.

Diante disso, convém esclarecer inicialmente o significado efetivo de soberania. É a capacidade que uma nação tem de determinar soberanamente o seu destino. Violar a soberania, portanto, é subtrair à nação a possibilidade de traçar de forma autônoma o seu futuro. E nação, aqui, significa a sua cidadania de carne e osso, as pessoas, as famílias, o conjunto da população sem distinção de raça, de nível de estudo, de gênero, de religião.

Nenhuma nação tem efetivo controle de seu futuro sem uma base material sólida. O Brasil conseguiu, ao longo de décadas, principalmente desde Getúlio Vargas, instalar uma infra-estrutura produtiva significativa por iniciativa governamental, abrindo ao mesmo tempo amplas possibilidades no setor produtivo para a iniciativa privada. Apesar da febre privatista conduzida por entreguistas, empresas estratégicas foram preservadas.

E o que é uma empresa estratégica? É uma empresa que assegura as bases de funcionamento de setores inteiros da economia ou até mesmo de toda a economia. Duas delas se encaixam imediatamente nessa categoria: a Petrobrás e a Eletrobrás. Ambas tendo sido criadas, desenvolvidas e operadas com grande sucesso pelo setor público. Portanto, nossa soberania energética, enquanto sob direção estatal, poderia ser preservada por décadas a fio.

Qual é a justificativa, portanto, para a privatização da Petrobrás e da Eletrobrás? No caso da Petrobrás, a empresa fez no pré-sal a maior descoberta em décadas de petróleo em grande quantidade e de boa qualidade. Ficamos com o potencial de um dos maiores produtores de petróleo no mundo, garantindo o consumo interno e exportações. Qual é a razão de entregar esse formidável potencial ao capital estrangeiro?

Não são razões de interesse público nacional. De fato, é uma violação da soberania do país. Traidores da Pátria, com interesses exclusivamente pessoais vinculados às multinacionais petrolíferas, estão colocando em marcha, em tempo recorde, um projeto de esquartejamento e privatização da Petrobrás que terá como conseqüência bloquear  nossas possibilidades de exercer um controle efetivo do petróleo do pré-sal em favor do desenvolvimento brasileiro.

O que interessa a uma empresa privada? Claro, todos sabem: gerar lucro para seus acionistas. Não tem qualquer compromisso em assegurar suprimento regular de seus produtos para o mercado interno; não tem compromisso com preços adequados; não tem compromisso com desenvolvimento tecnológico em sua área; não tem compromisso com padrões adequados de saúde e de remuneração para seus trabalhadores. É só lucro. 

É justo que, no capitalismo, empresas privadas busquem sobretudo o lucro. Por isso é que empresas como Petrobrás e Eletrobrás devem ser públicas, e fortes. Vimos o que aconteceu com a Vale do Rio Doce privatizada: cuidou mais do lucro do que da segurança. Para a empresa púbica a melhor destinação do lucro é o financiamento de investimentos. Em seus grandes momentos, 70% do investimento no país provinham da Petrobrás.

Agora a Petrobrás acaba de anunciar um lucro trimestral recorde. Se fosse uma empresa privada dirigida com espírito público, a maioria desse lucro, gerado pela privatização fatiada da empresa, seria destinada a investimentos. Como, infelizmente, é uma empresa pública dirigida segundo critérios privados, seu lucro vai para os bolsos de acionistas privados internos e estrangeiros. E mais disso ainda virá, pois o programa de lesa-pátria de violação da soberania nacional continua em curso, agora com refinarias de petróleo na fila da privatização.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247