O que é inaceitável para os caminhoneiros

Só haverá uma forma de evitar a paralisação dos caminhoneiros. É pela decisão da Petrobrás de reduzir os preços do diesel, da gasolina e do gás, sem manobras diversionistas

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Os caminhoneiros não são ingênuos para aceitar, de novo, o tipo de acordo que lhes foi imposto para acabar com a greve de 2018. Na época, a manobra do Governo foi atirar nas costas dos governos estaduais parte da redução do preço do diesel. Agora há menos ingenuidade da parte dos caminhoneiros. Eles sabem que os impostos estaduais, ICMS e ISS, não tem nada a ver com preço dos combustíveis. Se o Governo quiser reduzir o preço do diesel e de outros combustíveis, que trate de exigir isso da Petrobrás, que é a responsável por eles.

É importante assinalar que os impostos sobre os combustíveis servem para financiar a educação dos filhos dos caminhoneiros, a saúde de suas famílias, o saneamento básico de todos eles, as moradias populares, a água nas periferias. Nem sempre os governos estaduais são competentes e honestos para garantir esses serviços, mas muito pior seria se ficassem completamente sem dinheiro para financiar uma redução no preço do diesel. Isso não deve ser aceitado de forma alguma como mecanismo espúrio de subsídio ao diesel.

O que aconteceu em 2018 foi uma brutal transferência de renda temporária da sociedade como um todo para os acionistas privados da Petrobrás, a pretexto de subsidiar o diesel. E não foi só isso. Como acontece ainda hoje, a Petrobrás aumentou o preço dos combustíveis no Brasil com o propósito não só de aumentar a renda dos seus acionistas, sobretudo estrangeiros, mas com o intuito deliberado de permitir a empresas petrolíferas entrar no nosso mercado. É que essas empresas tem custo muito alto de combustíveis.  Petrobrás, então, aumentou os seus próprios preços, à custa dos caminhoneiros, para que elas tenham condição de competir aqui, gerando renda ainda maior para seus acionistas. 

Seriam os caminhoneiros tão ingênuos ao ponto de aceitar essas manobras de favorecimento de empresas e de acionistas estrangeiros apenas para dar à direção da Petrobrás o gosto de proclamar aos quatro ventos, sem qualquer fundamento, que o Brasil é um mercado livre de derivados de petróleo? Ou será o caso de a Petrobrás carregar a responsabilidade pela greve, na medida em que os petroleiros, sem renda digna, se mostrem cansados de continuar respondendo pelos lucros gigantescos das empresas petrolíferas e dos acionistas externos?

Em síntese: só haverá uma forma de evitar a paralisação dos caminhoneiros. É pela decisão da Petrobrás de reduzir os preços do diesel, da gasolina e do gás, sem manobras diversionistas.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email