O realismo fantástico de Bernardo Cerveró

Ao gravar, com um iPhone escondido no bolso, a conversa que levou à prisão o senador Delcídio Amaral (PT-MS) e o banqueiro André Esteves, o ator Bernardo Cerveró demonstrou que, no Brasil, a realidade sempre supera a ficção; "Mais do que o aspecto cinematográfico, o roteiro carrega ainda todos os elementos de uma tragédia shakesperiana: a vilania e a traição do advogado, a verborragia e a vaidade do senador, o excesso de ambição do banqueiro – e o medo que a todos unia naquela trama", escreve o jornalista Leonardo Attuch; ele afirma ainda que, agora, a delação do pai de Bernardo, Nestor Cerveró, fatalmente terá que ser homologada

Ao gravar, com um iPhone escondido no bolso, a conversa que levou à prisão o senador Delcídio Amaral (PT-MS) e o banqueiro André Esteves, o ator Bernardo Cerveró demonstrou que, no Brasil, a realidade sempre supera a ficção; "Mais do que o aspecto cinematográfico, o roteiro carrega ainda todos os elementos de uma tragédia shakesperiana: a vilania e a traição do advogado, a verborragia e a vaidade do senador, o excesso de ambição do banqueiro – e o medo que a todos unia naquela trama", escreve o jornalista Leonardo Attuch; ele afirma ainda que, agora, a delação do pai de Bernardo, Nestor Cerveró, fatalmente terá que ser homologada
Ao gravar, com um iPhone escondido no bolso, a conversa que levou à prisão o senador Delcídio Amaral (PT-MS) e o banqueiro André Esteves, o ator Bernardo Cerveró demonstrou que, no Brasil, a realidade sempre supera a ficção; "Mais do que o aspecto cinematográfico, o roteiro carrega ainda todos os elementos de uma tragédia shakesperiana: a vilania e a traição do advogado, a verborragia e a vaidade do senador, o excesso de ambição do banqueiro – e o medo que a todos unia naquela trama", escreve o jornalista Leonardo Attuch; ele afirma ainda que, agora, a delação do pai de Bernardo, Nestor Cerveró, fatalmente terá que ser homologada (Foto: Leonardo Attuch)

Definitivamente, a ficção no Brasil jamais será capaz de suplantar a realidade. Prova disso foi a proeza conseguida na semana passada pelo ator Bernardo Cerveró, filho de um ex-diretor da Petrobras. Desconfiado de que seu pai, Nestor, vinha sendo traído por seu advogado e abandonado por seu ex-padrinho político, o senador Delcídio Amaral (PT-MS), Bernardo atraiu as presas para sua toca: uma suíte num hotel de luxo em Brasília. Com um iPhone escondido no bolso, gravou as verdades secretas do encontro e fez com que todos fossem parar na prisão, levando no pacote um dos homens mais ricos do Brasil, o banqueiro André Esteves.

Mais do que o aspecto cinematográfico, o roteiro carrega ainda todos os elementos de uma tragédia shakesperiana: a vilania e a traição do advogado, a verborragia e a vaidade do senador, o excesso de ambição do banqueiro – e o medo que a todos unia naquela trama. Para completar a cena, o chefe de gabinete do senador, que fazia um papel de figurante, mas necessário para que se configurasse não apenas uma “quadrilha”, como também um flagrante.

Agora, depois da epifania da semana passada, virá, necessariamente, um segundo ato. Se a delação de Nestor Cerveró enfrentava dificuldades para ser aceita, ela terá que ser homologada. Afinal, se despertava tanto receio num dos senadores mais influentes do País e num banqueiro tão poderoso, é por que algum fundo de verdade deve conter.

Se Cerveró decidir revelar tudo o que sabe, poderá passar a limpo muita coisa no Brasil. Na conversa gravada por Bernardo, está claro que seu pai conhece histórias do arco da velha, como do tempo, ainda no governo FHC, em que a multinacional francesa Alstom era uma das principais fornecedoras da diretoria de gás da Petrobras. Como pano de fundo de tudo, a sempre explosiva combinação entre o público e o privado no Brasil. Shakespeare não escreveria uma peça mais completa do que a de Bernardo Cerveró.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

blog

Jair no divã de Freud

O cartunista Miguel Paiva encena uma improvável ida de Bolsonaro a um divã de psicanalista - e, nada mais nada menos, que ao maior dos psicanalistas, Sigmund Freud: "Freud - O senhor está sendo...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247