O recado dos militares

"O recado dos militares parece dirigido ao Supremo Tribunal Federal e ao Congresso Nacional, que têm responsabilidades prementes de fazer valer a Constituição, as leis, e destituir a organização criminosa e seu chefe, Michel Temer, que se aproveita para governar atendendo interesses de conglomerados internacionais e entregar, na cara dura, imenso patrimônio e riquezas nacionais, de forma nunca visto antes. Isso se ainda existe nacionalismo nas forças armadas", avalia o colunista do 247 Laurez Cerqueira; "Não consigo admitir que o Brasil está fadado a não ser uma nação democrática, desenvolvida. Não imaginei que em pleno 2017, século XXI, seriamos ameaçados por uma ditadura militar, depois de um golpe de Estado, civil"

"O recado dos militares parece dirigido ao Supremo Tribunal Federal e ao Congresso Nacional, que têm responsabilidades prementes de fazer valer a Constituição, as leis, e destituir a organização criminosa e seu chefe, Michel Temer, que se aproveita para governar atendendo interesses de conglomerados internacionais e entregar, na cara dura, imenso patrimônio e riquezas nacionais, de forma nunca visto antes. Isso se ainda existe nacionalismo nas forças armadas", avalia o colunista do 247 Laurez Cerqueira; "Não consigo admitir que o Brasil está fadado a não ser uma nação democrática, desenvolvida. Não imaginei que em pleno 2017, século XXI, seriamos ameaçados por uma ditadura militar, depois de um golpe de Estado, civil"
"O recado dos militares parece dirigido ao Supremo Tribunal Federal e ao Congresso Nacional, que têm responsabilidades prementes de fazer valer a Constituição, as leis, e destituir a organização criminosa e seu chefe, Michel Temer, que se aproveita para governar atendendo interesses de conglomerados internacionais e entregar, na cara dura, imenso patrimônio e riquezas nacionais, de forma nunca visto antes. Isso se ainda existe nacionalismo nas forças armadas", avalia o colunista do 247 Laurez Cerqueira; "Não consigo admitir que o Brasil está fadado a não ser uma nação democrática, desenvolvida. Não imaginei que em pleno 2017, século XXI, seriamos ameaçados por uma ditadura militar, depois de um golpe de Estado, civil" (Foto: Laurez Cerqueira)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O recado dos militares parece dirigido ao Supremo Tribunal Federal e ao Congresso Nacional, que têm responsabilidades prementes de fazer valer a Constituição, as leis, e destituir a organização criminosa e seu chefe, Michel Temer, que se aproveita para governar atendendo interesses de conglomerados internacionais e entregar, na cara dura, imenso patrimônio e riquezas nacionais, de forma nunca visto antes. Isso se ainda existe nacionalismo nas forças armadas.

É o que sinalizam. Não se sabe até que ponto é uma jogada política.

O outro destinatário pode ser o eleitorado do ex-Presidente Lula. Há demonstração clara, nas últimas pesquisas, de que Lula venceria as eleições.

Desde a proclamação da República os militares, por serem servidores públicos armados, demonstram dificuldade de se subordinarem aos poderes soberanos legítimos, eleitos pelo voto direto do povo: a Presidência da República e o Congresso Nacional.

Aliás, a República é filha de um golpe militar, dado para proteger o patrimônio e os interesses da Coroa Portuguesa, dos proprietários de terras e dos empresários que aqui se estabeleceram.

O dia que se posicionarem do lado dos de baixo, defenderem a democracia, um projeto que ponha fim à desigualdade e promova a inclusão social irrestrita e a cidadania, estará com a imensa maioria da população.

A essas alturas do Século XXI, os militares brasileiros precisam se livrar, de uma vez por todas, desse papel histórico de guarda do patrimônio e dos interesses dos de cima, dos empresários, banqueiros, nacionais e internacionais, e de grandes proprietários de terras.

Chega de lustrar sapatos dessa gente que até agora tem demonstrado desprezo pelos de baixo e pela costrução da nação democrâtica. Acima de tudo seus interesses particulares.

Quem mandou botar a tutela dos militares na Constituição foi o General Leônidas Pires Gonçalves, ministro do Exército, do governo Sarney, na época.

Os constituintes progressistas reagiram com discursos inflamados contra a imposição dos militares.

Naquela época, as ameaças dos militares eram frequentes.

As conquistas democráticas eram frágeis, incipientes. Ninguém queria ver novamente aquele filme de terror.

Os lutadores pela democracia estavam estropiados, vindos dos cárceres, das ruas, para consolidar o Estado democrático de direito.

Assisti, no plenário da Câmara, numa das sessões da Constituinte, ao debate da famosa emenda da tutela dos militares.

Muita gente está se dando conta da fragilidade da nossa democracia agora, depois que alguns militares começaram a apontar para o artigo 142 da Constituição.

O "Centrão" conservador votou em peso e aprovou a emenda.

Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.

Não consigo admitir que o Brasil está fadado a não ser uma nação democrática, desenvolvida. Não imaginei que em pleno 2017, século XXI, seriamos ameaçados por uma ditadura militar, depois de um golpe de Estado, civil.

A Constituição de 1988 apontava para um grande avanço do país com superação da desigualdade, da pobreza, acesso pleno ao serviços públicos de qualidade, elevação da renda, da qualidade de vida, enfim, plena cidadania. Mas o que estou vendo é um enorme retrocesso porque todas as tentativas de de se fazer a revolução educacional foram solapadas.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247