O risco Marina, seus ministros e a queda de Aécio

Boa parte dos citados tem reduzida influência sobre a bancada dos seus partidos. O que significa que, caso eleita, Marina pretende governar com nomes e não com nomes e partidos

Boa parte dos citados tem reduzida influência sobre a bancada dos seus partidos. O que significa que, caso eleita, Marina pretende governar com nomes e não com nomes e partidos
Boa parte dos citados tem reduzida influência sobre a bancada dos seus partidos. O que significa que, caso eleita, Marina pretende governar com nomes e não com nomes e partidos (Foto: Voney Malta)

Alguns dos nomes dos prováveis ministros da presidenciável Marina Silva já circulam no meio político e na imprensa. Entre os mais conhecidos, José Serra (PSDB-SP) – Saúde, Cristovam Buarque (PDT-DF) – Educação, Eduardo Suplicy (PT-SP) - Direitos Humanos, Miro Teixeira (Pros-RJ) – Comunicação, e Pedro Simon (PMDB-RS) - Relações Exteriores

Boa parte dos citados tem reduzida influência sobre a bancada dos seus partidos. O que significa que, caso eleita, Marina pretende governar com nomes e não com nomes e partidos.

O que me faz deduzir que teremos graves crises políticas na relação com o Congresso Nacional. É que quando se governa com partidos, governa-se com bancadas, portanto com um nome que representa essa bancada.

É assim que funciona o nosso sistema e é dessa forma que elegemos os nossos representantes. Discutimos quem vai ser o governador, o presidente e até o senador, mas quase não falamos sobre o deputado estadual e federal.

AÉCIO

Especula-se muito sobre a renúncia de Aécio Neves (PSDB), o que o senador tem negado. Mas a conversinha de bastidor é que ele renunciaria para Marina vencer no primeiro turno e assumiria a disputa a governador em Minas Gerais.

Caso faça isso, aniquilaria suas chances de disputar a Presidência futuramente. Ora, qual eleitor admitiria um candidato que renunciou para favorecer a um adversário? Seria uma mancha política.

De qualquer forma, o PSDB vai sair dessa eleição menor do que entrou em termos de representatividade de bancada por conta da queda da candidatura de Aécio.

O PT e o PMDB são as duas maiores bancadas da Câmara com, respectivamente, 88 e 72 deputados. O PSDB é a quinta, 44. No Senado o PMDB tem 19, PT e PSDB têm 12.

Acredito que o PMDB e o PT devem variar de maneira insignificante suas representatividades nas duas casas, ao contrário do PSDB. Os tucanos não estão polemizando nesta eleição em que o seu candidato desce ladeira.

E isso dificilmente deixará de influir na dança das cadeiras do Congresso.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247