O Sputnik de Putin

"No dia 4 de outubro de 1957, a agência Tass, porta-voz oficial do governo Krushev anunciou que a União Soviética havia lançado ao espaço, com sucesso, 'o primeiro satélite artificial da Terra'. A reação do mundo foi do espanto à desconfiança e à incredulidade. O mesmo espanto e a mesma desconfiança tomam conta do mundo com o registro da primeira vacina contra o Covid-19", escreve Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Vladimir Putin
Vladimir Putin (Foto: Kremlin | REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

No dia 4 de outubro de 1957, a agência Tass, porta-voz oficial do governo Krushev anunciou que a União Soviética havia lançado ao espaço, com sucesso, “o primeiro satélite artificial da Terra”.

O “Sputnik” era uma esfera de 83 quilos e 53 cm de diâmetro, com um transmissor de rádio em seu interior, cujo objetivo era cumprir trajetória elíptica, a 900 km de altura, dando uma volta à Terra a cada 1 hora e 35 minutos.

Imaginem o impacto da notícia. A Terra tinha até então um satélite só: a Lua. Passara a ter um a mais, artificial. Os russos tinham conseguido colocar um objeto em órbita da Terra, o que possibilitou os voos cósmicos posteriores, a partir do de Yuri Gagarin.

A reação do mundo foi do espanto à desconfiança e à incredulidade.

A agência de notícias United Press, dos EUA, afirmou, a 5 de outubro de 1957, cheia de dedos, que “a BBC anunciou, nas primeiras horas de hoje, sábado, que havia captado sinais de rádio que poderiam ser do satélite artificial que a URSS anunciou ter lançado”.

“Poderiam ser”… “anunciou ter lançado”…

O mesmo espanto e a mesma desconfiança tomam conta do mundo com o registro da primeira vacina contra o covid-19, também batizada, propositalmente, de Sputnik, pois se destina a causar o mesmo impacto do xará espacial.

Tal como em 1957, surgem dúvidas e questionamentos: foi muito rápido… não seguiu o protocolo… estudos não foram publicados.

Não acredito que Putin seria irresponsável a ponto de lançar uma vacina que não funciona ou que tem efeitos colaterais só para ser o primeirão.

Concordo que ele é um tzar e que busca se perpetuar no poder e, sem dúvida, a vanguarda no combate à maior pandemia dos últimos 100 anos é um trunfo indiscutível. Mas não iria mandar vacinar os russos se não tivesse certeza que os está protegendo e não expondo a riscos. Todo tzar para se perpetuar no poder precisa de povo porque sem povo não há arrecadação de impostos.

Também penso que Putin não correria o risco de ser desmascarado, no caso de a vacina ser um placebo ou coisa pior.

Mentira tem perna curta é um provérbio que ele conhece muito bem.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247