O STF e o financiamento de campanhas eleitorais

Se aprovada a proposta da OAB pelo STF, já em muito melhora o equilíbrios das disputas eleitorais no Brasil



Está em discussão no Supremo Tribunal Federal (STF) o fim do financiamento privado de campanhas eleitorais. Pelo menos o fim de doações feitas por empresas. O julgamento foi motivado por uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) protocolado em setembro de 2011.

A sessão para debater o tema teve início com no dia 11/11 e dois votos já forma apresentados. O do ministro relator Luiz Fux e do presidente do STF, Joaquim Barbosa. Ambos votaram a favor do fim do financiamento privado de campanhas eleitorais por empresas. Barbosa foi além e defendeu que nem pessoas físicas possam fazer doações.

Fux alegou que as novas regras deveriam começar a valer em 24 meses para não deixar um hiato na legislação eleitoral. Essa lei tem como princípio a anuidade. Barbosa afirmou que ela já deveria valer em 2014 e que, se o Congresso não discutiu, não o fez por que não quis. As votações retomam hoje (12), mas devem se estender até o ano que vem.

Se aprovado, conforme a OAB solicitou, já em muito melhora o equilíbrios das disputas eleitorais. Os advogados pediram para extinguir as doações feitas por empresas, não por pessoas. Isso ainda dá margem para que "laranjas" sejam usados nas doações. Mas já é um avanço.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É certo que mesmo com o provável aprimoramento das regras eleitorais no Brasil, o caminho foi o das vias tortas. É o Congresso Nacional que tem a prerrogativa de legislar e, cada Poder da República, tem o seu tempo. A fala de Barbosa é típica dos autores de "canetaço". Se você não fez, faço eu e ponto final!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A posição de Fux de que as mudanças passem a valer, na prática, somente em 2016, é a mais coerente. Ela não dá brecha para que o princípio da anuidade seja ignorado em debates futuros sobre as regras do jogo político no Brasil. E Barbosa sabe disso, mas como ele gosta de fazer bravata...

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De todo jeito é bom lembrar aos navegantes que a decisão do STF – qualquer que seja ela ao final desse julgamento – vale para o texto atual das leis eleitorais e dos partidos políticos. Em nada há impedimento de que o Congresso faça novas leis.

Mesmo com bravatas, "matadas no peito", se aprovado, o fim do financiamento privado de campanhas significará um avanço em nossa democracia. Porá fim ao aluguel de nossa política pelas grandes corporações. Dará mais equilíbrio nas disputas eleitorais. Diminuirá o espetáculo televisivo dos programas de tevê do horário eleitoral, obrigando que candidatos e partidos foquem mais em seus programas e não em pirotecnia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email