Ocupação custa bilhões aos palestinos

Uma receita de US$ 3,4 bilhões, segundo o Banco Mundial, poderia ser gerada caso fossem canceladas as restrições de movimentos, acesso à terra e uso de água impostas por Israel

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Relatório do World Bank (Banco Mundial) informa que com a ocupação israelense da Margem Oeste (Cisjordânia), a economia palestina perde 3,4 bilhões de dólares anuais, o equivalente a 35% do seu PIB.

Essa receita, segundo o World Bank, poderia ser gerada caso fossem canceladas as restrições de movimentos, acesso à terra e uso de água impostas por Israel aos palestinos.

Diz o relatório: "Mais da metade das terras da Margem Oeste, a maior parte da sua agricultura e recursos naturais são inacessíveis aos palestinos".

E assinala que, no fim de 2012, 60 comunidades palestinas eram obrigadas a percorrer caminhos duas a cinco vezes maiores do que o caminho direto para a cidade mais próxima.

Isso acontece particularmente na chamada Área C, a mais importante do país.

Conforme disposição do Acordo de Oslo, a Margem Oeste foi dividida em 3 partes: Área A, com administração e segurança palestina; Área B, administração palestina e segurança pelo exército israelense e Área C, totalmente sob o exército de Israel.

Na área C, que representa 61% da Margem Oeste, as terras de agricultura dividem-se entre palestinos (326.400 dunams) e assentamentos israelenses (187.000 dunams), ilegais segundo a ONU e o Direito Internacional.

Enquanto os assentamentos, ilegais pelo Direito Internacional e a ONU, recebem considerável ajuda econômica do governo de Israel, os fazendeiros palestinos não recebem nada.

Pior do que isso: o exército israelense impõe bloqueios e restrições de vários tipos no acesso às cidades da região e aos suprimentos de água, o que prejudica sensivelmente os agricultores palestinos.

Afirma Marian Sherman, do World Bank: "Liberando o potencial dessas 'terras restritas' e permitindo aos palestinos explorarem seus recursos, seriam liberadas novas áreas à atividade econômica e colocaria a economia no caminho do crescimento sustentável."

A região do Mar Morto é uma área de alto valor econômico, onde os empreendimentos palestinos não estão autorizados a atuar.

Só israelenses podem aproveitar seu rico potencial, embora 1/3 da região fique em território da Palestina.

O grupo judaico "Quem Está Lucrando Com a Ocupação?" denuncia que a lama usada pela empresa de cosméticos Ahava é tirada de praias na parte palestina do Mar Morto. Sem compensação ou autorização dos palestinos, o que torna essa exploração ilegal.

Há outros exemplos de ações desse citada, conforme o "Quem Está Lucrando com a Ocupação?".

Diz o relatório do World Bank que o acesso palestino ao Mar Morto daria condições para a exploração de minérios (potássio e bromo) e do turismo.

Os minérios trariam para a economia palestina 916 milhões de dólares anuais ou cerca de 6,5% do seu atual PIB.

Criando-se um hotel resort no Mar Morto, o ganho seria de 126 milhões, 1% do PIB.

A mineração de rochas e pedreiras, indústrias de construção e de telecomunicações poderiam ser desenvolvidas se a região do mar Morto não estivesse fechada para os palestinos.

Mesmo que o governo de Telaviv concordasse nas liberações sugeridas pelo World Ban, ou elas viessem com a independência da Palestina, não seria rapidamente que os problemas do país se resolveriam.

"A alternativa é sombria", afirma Sherman. "Sem a possibilidade de utilizar o potencial da Área C, o espaço econômico permanecerá fragmentado e deficiente. O cancelamento das múltiplas restrições poderia transformar a economia e melhorar substancialmente as perspectivas de um crescimento sustentável."

Do que depender do governo de Telaviv, isso dificilmente acontecerá.

Ele já condenou o relatório do World Bank, taxando-o de parcial e tendencioso.

O que parece estar longe da verdade.

O World Bank foi fundado para promover o desenvolvimento econômico no mundo. É de propriedade de 188 nações dos quatro continentes.

Para variar, os EUA pesam mais nas suas decisões, pois são os maiores acionistas. Aliás, o presidente do banco é sempre um cidadão americano.

Não dá para imaginar que um banco sob influência de Washington seja "parcial e tendencioso" contra Israel...

Para as recomendações do banco serem aceitas, só mesmo quando a Palestina se tornar um Estado independente, livre da ocupação israelense.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247