Ódio do povo, não Mourão, poderá derrubar Bolsonaro

"Outro dia, relendo 'O Príncipe', encontrei conselhos elaborados por Nicoló Maquiavel no século XV que podem ser muito úteis a Jair Bolsonaro, já que suspeita de conspiração de seu vice Hamilton Mourão", diz Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia; "Um príncipe deve dar pouca importância às conspirações se o povo lhe é benévolo, mas quando este lhe seja adverso e o tenha em ódio, deve temer a tudo e a todos"

Ódio do povo, não Mourão, poderá derrubar Bolsonaro
Ódio do povo, não Mourão, poderá derrubar Bolsonaro (Foto: Valter Campanato - Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, colunista do 247 e membro Jornalistas pela Democracia

Outro dia, relendo "O Príncipe", encontrei conselhos elaborados por Nicoló Maquiavel no século XV que podem ser muito úteis a Jair Bolsonaro, já que suspeita de conspiração de seu vice Hamilton Mourão.

"Um príncipe deve dar pouca importância às conspirações se o povo lhe é benévolo, mas quando este lhe seja adverso e o tenha em ódio, deve temer a tudo e a todos". (Capítulo XIX)

"Contra a inimizade do povo um príncipe jamais pode estar garantido, por serem muitos; dos grandes, porém, pode-se assegurar porque são poucos". (Capítulo IX)

"Um príncipe deve estimar os grandes, mas não se fazer odiado pelo povo". (Capítulo XIX)

"A um príncipe é necessário ter o povo como amigo, pois, de outro modo, não terá possibilidades na adversidade". (Capítulo IX)

"Um dos mais poderosos remédios que um príncipe pode dispor contra as conspirações é não ser odiado pela maioria". (Capítulo XIX)

"A natureza dos povos é vária, sendo fácil persuadi-los de alguma coisa, mas difícil firmá-los nessa persuasão". (Capítulo VI)

Isto talvez explique a sua vacilação diante da reforma da Previdência de Paulo Guedes, que a população já começa a odiar. É o medo de ser odiado.

À medida em que lia, fui anotando as citações que tinham alguma coisa a ver com o que está acontecendo hoje no Brasil. Encontrei muitas. Até parece que alguém leu esse manual dos ditadores para Bolsonaro. E ele o transformou em bíblia.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Maquiavel ensina, a certa altura, a dominar uma sociedade que vive em liberdade e parece estar sendo obedecido pelo atual ocupante do Palácio do Planalto:

"Quando aqueles estados que se conquistam estão habituados a viver com suas próprias leis e em liberdade, há três modos de conservá-los: o primeiro, arruiná-los". (Capítulo V)

"Quem se torne senhor de uma cidade acostumada a viver livre e não a destrua, espere ser destruído por ela". (Capítulo V)

Maquiavel ressalta a importância das armas para se manter um regime ditatorial e, de novo, parece ter sido seguido à risca por Bolsonaro:

"Jamais existiu um príncipe novo que desarmasse os seus súditos, mas, antes, sempre que os encontrou desarmados, armou-os; isto porque, armando-os, essas armas passam a ser tuas, tornam fieis aqueles que te são suspeitos, os que eram fieis assim se conservam e de súditos tornam-se teus partidários". (Capítulo XX)

"Quando os príncipes pensam mais nas delicadezas que nas armas perdem seu estado". (Capítulo XIV)

"Todos os profetas armados venceram e os desarmados fracassaram". (Capítulo VI)

Maquiavel também adverte que príncipe não pode ser bonzinho:

"É muito mais seguro ser temido que ser amado". (Capítulo XVII)

"Um príncipe não deve temer a má fama de cruel, desde que por ela mantenha seus súditos unidos e leais". (Capítulo XVII)

"É necessário a um príncipe que queira se manter aprender a poder não ser bom e usar ou não da bondade, de acordo com a necessidade". (Capítulo XV)

Não há problema algum em o príncipe ter as piores qualidades de um ser humano, desde que aparente ser virtuoso:

"Aquele que engana, sempre encontrará quem se deixe enganar". (Capítulo XVIII)

"A um príncipe não é essencial possuir todas as qualidades, mas é bem necessário parecer possuí-las.

Parecer piedoso, fiel, humano, íntegro, religioso". (Capítulo XVIII)

"Todos veem o que tu aparentas, poucos sentem aquilo que tu és e esses poucos não se atrevem a contrariar a opinião dos muitos". (Capítulo XVIII)

"Os príncipes devem atribuir a outrem as coisas odiosas, reservando para si aquelas de graça". (Capítulo XIX)

Ainda que pose de camisa pirata e chinelão, Bolsonaro se parece cada vez mais com o Príncipe de Maquiavel.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247