Oposição não tem votos para derrubar Bolsonaro

"Para voltar a ser relevante, para botar pra quebrar, para conseguir defender os brasileiros, para ser forte, a oposição precisa recuperar, nas eleições municipais de 2020 os votos que perdeu em 2018", avalia o jornalista Alex Solnik ao comentar um eventual pedido de impeachment de Jair Bolsonaro; "Na democracia que ainda resta votos são mais importantes que palavras de ordem"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, para o Jornalistas pela Democracia 

Querendo ou sem querer, ludibriados ou não, iludidos ou não, ignorantes ou não, os brasileiros elegeram um presidente de extrema-direita em 2018 pela primeira vez na história republicana.

  Nunca antes um presidente se assumira como chefe de um governo de direita. Ainda que chefiasse um.

  E também elegeram um Congresso onde a esquerda tem 135 votos em 513: 56 do PT, 32 do PSB, 28 do PDT, 10 do PSOL e 9 do PCdoB. Como vimos recentemente, ainda assim nem sempre votam em bloco.

  No Senado, são 12 em 81: 6 do PT, 4 do PDT, e 2 do PSB. Eventualmente são apoiados pelos cinco senadores da Rede. Ficam em 17.

  A escolha dos eleitores pode ser rotulada de esdrúxula, estapafúrdia, sórdida, calhorda, reacionária, anômala, estúpida, mas seus votos é que estão valendo.

  Os deputados e senadores de centro-direita e direita, pela decisão das urnas, são maioria disparada nas duas Casas que fazem as leis e fiscalizam o governo – embora nem sempre concordem com o extremismo do governo.

  A oposição pode ser valente, aguerrida, combativa, altiva, heroica, carismática – e é - mas não tem número para ganhar no voto as questões mais relevantes.

  A oposição não tem votos na Câmara porque não teve votos nas urnas.

  O que ela pode fazer é o que está fazendo: denunciar, alertar, esbravejar, contestar, desmascarar.

  Por isso dá a impressão de estar inoperante.

  Não lhe falta disposição; o que lhe falta são votos.

  Por isso é absurdo imaginar que haverá 308 votos para derrubar Bolsonaro se Maia colocar o impeachment em pauta.

  Para voltar a ser relevante, para botar pra quebrar, para conseguir defender os brasileiros, para ser forte, a oposição precisa recuperar, nas eleições municipais de 2020 os votos que perdeu em 2018.

  E se preparar para ganhar o Congresso em 2022.

  Na democracia que ainda resta votos são mais importantes que palavras de ordem.

  Tanto nas urnas quanto na Câmara.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247