Organizações paramilitares estão nos planos da “nova política”?

A proximidade do clã Bolsonaro com grupos paramilitares é um fato inquestionável. A dúvida, por enquanto, é qual o tipo de "missão" que se planeja a partir do fortalecimento dessas brigadas criminosas

Organizações paramilitares estão nos planos da “nova política”?
Organizações paramilitares estão nos planos da “nova política”? (Foto: Carolina Antunes - PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A proximidade do clã Bolsonaro com grupos paramilitares é um fato inquestionável. A dúvida, por enquanto, é qual o tipo de "missão" que se planeja a partir do fortalecimento dessas brigadas criminosas. E é bom que as Forças Armadas fiquem atentas quanto a isso, já que pode estar sendo gestada uma organização nacional de combate "a tudo isso que está aí", nos moldes das Farcs colombiana, com viés ultradireitista e disposta a aniquilar as instituições democráticas consolidadas pela Constituição federal.

É uma grande tolice pensar que a liberação de armas para "pessoas de bem" se destina à proteção pessoal e da família. Pela quantidade de munição e pelo calibre dos armamentos, propostos pelo decreto presidencial, o que se vislumbra é uma sociedade pronta para uma guerra civil, açodada pelo ódio e preconceito. As milícias, que ocupam vários territórios nas grandes capitais, fazendo fortuna com a venda de serviços e segurança, já entenderam que podem estender seus domínios para além dos guetos, dependendo da interpretação que fazem dos sinais emitidos pelo Palácio do Planalto.

O silêncio do ministro da Justiça, Sérgio Moro, por exemplo, é um desses sinais, que se juntam a outros, como o não esclarecimento sobre quem mandou matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes. O operador financeiro da lavagem de dinheiro, Fabrício Queiroz, não perde uma noite de sono preocupado com a Justiça brasileira. Tudo isso gera estímulos para o crescimento dessas organizações paramilitares, que já vislumbram a perspectiva de se tornarem o braço armado de uma ditadura, se tudo ocorrer conforme o que acredito esteja sendo planejado.

Embora entoe a cantilena de amor ao Exército de Caxias, a vida pregressa do capitão revela que a coisa não é bem assim. E a recíproca é verdadeira, já que teve sua vida militar compulsoriamente abreviada, saindo pela porta dos fundos como persona non grata. Ou será que fizeram um desfile, lhe colocaram no peito uma medalha, com direito a discurso do general que o comandava e eu não fiquei sabendo?

As manifestações de rua em apoio ao capitão-presidente corroboram com minhas suspeitas. Estavam lá sujeitos esquisitos, uniformizados, gritando palavras de ordem contra o STF, o Congresso Nacional, contra a Constituição, e bastará um fuzil na mão de cada um para que façam valer suas vontades pela força.

A sociedade precisa atentar para o perigo que está correndo, compreendendo a tempo as implicações decorrentes da distribuição de armas nas mãos de quem pode pagar, não por acaso, a parcela da população que majoritariamente apoia o presidente. Se hoje ele açula esses grupos através de redes sociais, para que saiam às ruas para defendê-lo, imagine o que fará quando, ao invés de bandeiras e bonecos infláveis, portarem fuzis e escopetas na Avenida Paulista. Aí, talvez seja tarde para entender que, a "nova política", na verdade não passa de uma proposta de ditadura, nos moldes das mais cruéis da História da Humanidade.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247