Os caminhos e a estratégia de Lula

"Ao anunciar que o PT terá candidato e ponto, Lula criou uma saia justa no PCdoB, no PSOL, na Rede e no PSB. Deixe-se de fora o PDT", diz o colunista Aldo Fornazieri. "Ou esses partidos, agora, buscam outra alternativa de frente ou constroem um caminho próprio"

www.brasil247.com - Ex-presidente Lula
Ex-presidente Lula (Foto: Stuckert)


Além de ser o maior líder do Brasil, Lula é também o político mais astuto. É um grande líder porque é um grande astuto. Agrega à astúcia, a inteligência e a capacidade de percepção da realidade política. Provavelmente, Lula havia se tornado invencível eleitoralmente. Por isso, foi golpeado para que seu caminho fosse bloqueado. O resultado desse golpe todos sabem: a tragédia do governo Bolsonaro. Foi vencido politicamente pela força e pela fraude. 

Na entrevista que Lula concedeu a Kennedy Alencar, da UOL, indicou caminhos, traçou uma estratégia. Certa ou não, arriscada ou não, é uma estratégia. Ao anuncia-la, Lula decidiu correr o risco. Certamente, é melhor ter um caminho do que não ter caminho nenhum, como vinha sendo a situação do PT. Lula parece seguir aquele dito de Boccaccio que afirma que “é melhor fazer e se arrepender do que não fazer e se arrepender”. Se a estratégia se confirmar como acerta, Lula será louvado. Se errar, será criticado.

O que se pode fazer, agora, é discuti-la. O primeiro ponto discutível consiste em analisar se foi correto Lula revelar toda estratégia. Júlio César não faria isso. Talvez Lula agregasse mais se revelasse apenas parte da estratégia e não sua totalidade. O ponto principal é que em 2022 não haverá frente de esquerda ou frente popular. Ou melhor: só haverá se os outros partidos aceitarem o candidato do PT. Lula afirmou que os partidos de esquerda devem ter seus candidatos e que a frente ocorrerá no segundo turno. Talvez tivesse sido melhor definir internamente que o PT terá candidato e anunciar publicamente que o partido lutaria para a construção de uma frente de esquerda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao anunciar que o PT terá candidato e ponto, Lula criou uma saia justa no PCdoB, no PSOL, na Rede e no PSB. Deixe-se de fora o PDT. Ou esses partidos, agora, buscam outra alternativa de frente ou constroem um caminho próprio. Se aceitarem a decisão consumada do PT a aceitarão na condição de caudatários. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O segundo ponto da estratégia consiste em que Lula já definiu quem será o candidato do PT: Fernando Haddad. Dada a definição do primeiro ponto da estratégia – a de que o PT terá candidato independentemente da frente – então a definição antecipada de que Haddad será candidato está correta. Supera a indecisão e a indefinição e o candidato se põe a campo para reforçar sua liderança. 

O terceiro ponto, subsidiário ao segundo, consiste em que Lula, praticamente, descartou sua candidatura. Mesmo que juridicamente o caminho da candidatura fique desobstruído, dificilmente Lula aceitará ser candidato. Só será se a situação política for marcada por uma excepcionalidade extraordinária. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A estratégia de Lula tem um pressuposto fundamental: As eleições de 2022 se definirão com um segundo turno entre Bolsonaro e o candidato do PT. O PT estará no segundo turno. Em que pese o desastre do governo, Bolsonaro deverá estar no segundo turno porque tem a máquina na mão. Como Bolsonaro tem rejeição de 70%, Haddad será eleito presidente, segundo a estratégia.

Se alguém desses dois polos for deslocado, será Bolsonaro e não o candidato do PT. Com os 47 milhões de voto de 2018, Haddad estará lá. Lula descarta um segundo turno entre o candidato do PT e outro candidato de centro-esquerda – Ciro por exemplo. Descarta também um segundo turno entre Bolsonaro e um candidato de centro-direita. Toda estratégia e todo risco que Lula assume ao expô-la por completo se assenta nesse pressuposto.

O pressuposto é lógico. Ele faz todo sentido político. Mas, em política, muitas vezes a lógica falha. A atividade política está muito sujeita à intervenção do imprevisto, do contingente, do acaso. A Deusa Fortuna costuma mudar os ventos da sorte e pregar peças monumentais até mesmo aos grandes líderes. O próprio Lula foi tolhido pelos tempos revoltos e tormentosos da mudança brusca dos ventos. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Todo grande líder combina ousadia com prudência. Nesta estratégia, Lula foi só ousadia. E se o pressuposto falhar? Convém lembrar que Haddad teve pouco mais de 31 milhões de votos no primeiro turno. Foi boa votação. Mas voto não é ativo estocável. Eles dependem das injunções e das interações que ocorrem nas conjunturas. Dependem dos acasos e dos imprevistos. Dependem das virtudes e das astúcias dos candidatos e dos partidos. 

Imagine-se um quadro de candidaturas no campo da esquerda e centro-esquerda com Haddad, Ciro, Boulos e Dino. Haddad teria os 29% de votos? Boulos agregou mais liderança do que tinha em 2018. Dino pode surpreender? Como virá Ciro? Para complicar: imagine-se um candidato competitivo na centro-direita que terá que fazer um discurso mais crítico da direita e mais social. Ele deslocaria Bolsonaro ou competiria com Haddad? Talvez tivesse sido melhor ter aberto uma pequena fresta para a prudência.

Cabe mencionar ainda dois outros pontos da entrevista do Lula. Primeiro: ele descartou o impeachment de Bolsonaro. Alegou falta de tempo. Parece que o problema não é a falta de tempo, mas a falta de força e de capacidade das esquerdas e das oposições em geral de mobilizar o povo e criar um ambiente favorável ao impeachment na opinião pública.

Segundo: Lula, acertadamente, sequer mencionou a possibilidade de golpe militar, como setores de esquerda, analistas de esquerda, dirigentes e deputados do PT vêm falando. O equívoco desses setores é de tamanha ordem que viram no vídeo tresloucado do deputado Daniel Silveira uma articulação de Bolsonaro na escalada golpista. Ora, se existe a iminência de um golpe, os dirigentes, deputados e analistas que afirmam tal tese precisam anunciar qual estratégia eles propõem para barrá-lo e qual a estratégia dos partidos e dos movimentos sociais para contê-lo. Caso contrário, acontecerá o que aconteceu em 1964, quando se dizia que existia uma estratégia dos movimentos sociais e sindicais e até uma estratégia militar para dar sustentação a Jango e, na realidade, não existia nada. 

O mesmo ocorreu com o impeachment da Dilma. O então presidente da CUT chegou a anunciar que os sindicalistas defenderiam a Dilma e a democracia nas trincheiras. No fatídico 17 de abril as pessoas saíram do Vale do Anhangabaú caladas e cabisbaixas. É preciso ser consequente com aquilo que se fala. Se há a eminência de um golpe, ou há preparação para a resistência, ou se é pusilânime. Se não há evidência de golpe, não se pode enganar a militância e a opinião pública. Uma coisa é denunciar as políticas autoritárias e retrógradas de Bolsonaro e combate-las. 

A militância, a opinião pública, precisam ser orientadas com análises corretas e com diretrizes corretas e eficientes de ação política. O fato de existirem grupelhos golpistas, militares da reserva saudosistas da ditadura e o próprio presidente com vontade ditatorial, não significa que haverá golpe. Essa gente precisa ser denunciada, combatida e punida.

Mas os parlamentares e partidos precisam ter senso de prioridade e de responsabilidade, pois são mantidos pelo dinheiro do povo. A prioridade é, 1) vacina para todos; 2) prorrogação do auxílio emergencial; 3) proteção do emprego e da renda; 4) Fora Bolsonaro. Além disso, é preciso mobilizar e organizar o povo para resistir aos retrocessos e criar uma conjuntura favorável para 2022.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email