Os dez mandamentos da propaganda de guerra

Há de qualquer lado uma propaganda de guerra promovida pelas partes interessadas

www.brasil247.com -
(Foto: Alexander Ermochenko/Reuters)


Em época de guerra não só a expressão: numa guerra o que morre primeiro é a verdade, devemos entender que há de qualquer lado uma propaganda de guerra promovida pelas partes interessadas.

Em 1928 terminada a primeira grande guerra mundial, Arthur Ponsonby, um ex-membro do serviço diplomático inglês e pacifista e liberal, escreveu um livro intitulado “Falsehood in War-Time: Propaganda Lies of the First World War” (Falsidade em tempo de guerra: Propagandas mentirosas da Primeira Guerra Mundial). 

Em 2001 a jornalista e escritora de esquerda, Anne Morelli principalmente da obra de Ponsonby, sistematizou os dez mandamentos que regem as mentiras das propagandas de guerra, que ela resumiu pelo decálogo da arte de mentir em guerras: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

1. Não queremos guerra, estamos apenas nos defendendo! 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2. Nosso adversário é o único responsável por esta guerra! 

3. O líder do nosso adversário é inerentemente mau e se assemelha ao diabo! 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4. Defendemos uma causa nobre, não nossos interesses particulares! 

5. O inimigo está cometendo atrocidades propositalmente; se estamos cometendo erros isso acontece sem intenção! 

6. O inimigo faz uso de armas ilegais! 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

7. Sofremos poucas perdas, as perdas do inimigo são consideráveis! 

8. Intelectuais e artistas reconhecidos apoiam nossa causa! 

9. Nossa causa é sagrada! 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

10. Quem duvida da nossa propaganda ajuda o inimigo e é um traidor! 

Esse decálogo é bem mais útil do que simplesmente achar que tudo numa guerra é mentira, pois ele fornece uma arma analítica para interpretarmos as notícias e verificarmos rapidamente o que certamente é uma mentira, ele não elimina a probabilidade de em um texto mais apurado e escrito por uma pessoa mais inteligente, sub-repticiamente sejamos induzidos ao erro, porém como a maior parte dos jornalistas que escrevem sobre uma guerra se baseando em outros textos da grande imprensa (quase sempre tendenciosos) e das agências de notícias (sempre tendenciosos), fica fácil detectar na imensa maioria desses que estamos sendo manipulados. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email