Os pontos que a história dá

Ao sair deixando a catinga pra ser investigada, Moro falou que ao aceitar o cargo de ministro só pediu uma pensão pra mulher. Com base em que, ele vai ter que dizer

Moro entende de quê?
Moro entende de quê? (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Passando a pandemia, o ministro do STF Gilmar Mendes prometeu levar a julgamento o pedido de habeas corpus feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que pede a anulação das condenações do petista feitas pelo ex-juiz Sérgio Moro, agora ex- ministro da Justiça e Segurança Pública.

O pedido da defesa de Lula é baseado na indicação de Moro para compor o governo de Jair Bolsonaro, adversário politico do petista, e nas mensagens publicadas pelo site “The Intercept Brasil”.

As conversas entre o então juiz e procuradores da força-tarefa da Lava Jato, revelaram parcialidade, com forte indício de que Moro atuou em conjunto com a acusação nos processos contra o ex-presidente, extrapolando os limites do Caruso.

Ao sair deixando a catinga pra ser investigada, Moro falou que ao aceitar o cargo de ministro só pediu uma pensão pra mulher. Com base em que, ele vai ter que dizer.

Vai ser espremido para falar da negociação ao cargo de ministro quando ainda era juiz.

Vai ficar ainda mais evidente a parcialidade no julgamento de Lula em troca de recompensa pela prisão sem provas.

Isso pra quem ainda tinha dúvidas.

Moro usou a condenação de Lula como catapulta a uma vaga no Supremo.

Os advogados de Lula tinham razão.

Vale lembrar que Gilmar ficou indignado com o estímulo dos bandoleiros da Lava Jato para investigar a mulher dele e do Toffoli.

Chamou de organização criminosa o que formaram alguns membros da Lava Jato.

Quem viver verá os pontos que a história dá.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247