CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Lula Miranda avatar

Lula Miranda

Poeta, cronista e economista. Além de colunista do 247, publica artigos em veículos da chamada imprensa alternativa, tais como Carta Maior, Caros Amigos, Observatório da Imprensa e Fazendo Média

169 artigos

blog

Os saudosistas do arbítrio querem ver o Lula na prisão

Traduzindo o torpe modus operandi da nossa elite: se não conseguem retomar o controle da Casa-Grande pelo voto, e se a senzala se assanha em improvável alegria, o jeito é tocar fogo no país

Imagem Thumbnail
Traduzindo o torpe modus operandi da nossa elite: se não conseguem retomar o controle da Casa-Grande pelo voto, e se a senzala se assanha em improvável alegria, o jeito é tocar fogo no país (Foto: Lula Miranda)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Esse é o desejo da parte podre da nossa elite, da banda conservadora, amoral, inculta e feia, e, também, acima do peso [devido certamente aos maus hábitos alimentares e à desídia que lhe é inata]. Tal insensato desidério (ou desatino) traduz-se e se manifesta numa espécie de "compulsão" atávica, uma espécie de "cacoete" moral, de envenenar o país com seu ódio e mau humor, com seu pessimismo sombrio, seu desalento paralisante, seu autoritarismo e intolerâncias intimidatórios - as mais diversas intolerâncias [sexual, étnica, xenófoba, religiosa etc.].

Intolerância, fruto perverso das incompreensões, as mais variadas, e do autoritarismo. Tão arbitrária quanto injustificável – injustificável, sim, ao menos à luz do dia; à luz da legalidade e do respeito aos direitos humanos; à luz da civilidade.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Façamos juntos, pois, uma pequena digressão, para tentarmos, de alguma maneira, num esforço, entender o incompreensível, o injustificável, o inaceitável. Tentemos, façamos um esforço, para apreender o possível sentido de uma ignomínia. Não com o sentido de justificar e aceitar, por suposto, mas com o intento de mapear ou esquadrinhar o comportamento, o DNA, dessa banda podre da nossa elite amasiada com essa classe média beócia, leitora da revista "Veja", em sua arrogância da ignorância. Vejamos...

Tentemos olhar para essa questão sem paixão. Tentemos utilizar como espelho os olhos de quem nos vê de fora.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Amigos estrangeiros que, na década de 1990, vinham me visitar aqui no Brasil, diziam-me em conversas informais, entre a perplexidade e a incredulidade, não entender como um país tão rico em recursos naturais, culturais e humanos, como o Brasil, tinha tanta pobreza e desigualdade social. No que, constrangido, eu lhes respondia: "O povo é bom, o país é rico, mas a elite é que não presta".

Porque para um estrangeiro, que não está habituado a conviver com tantas riquezas naturais: com sol o ano inteiro; com água em abundância [exceto hoje em SP, decerto (justamente em SP!)]; com tanta variedade na culinária e na gastronomia; com tamanha oferta e diversidade em frutas, legumes e hortaliças; com paisagens exuberantes etc é inconcebível. Para uma pessoa que nos olha de fora, é difícil acreditar que a riqueza esteja, de um maneira tão desavergonhada e imoral, concentrada nas mãos de uns poucos. É inadmissível. Injustificável. Inaceitável!

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

É uma vergonha!

A elite brasileira sempre foi, para a nossa desgraça, "xupim" e "entreguista". Sempre teve uma postura de dilapidar ou degradar o patrimônio público e as riquezas nacionais. Sempre.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Desde o período que se seguiu à nossa colonização, as elites locais se apraziam em se acumpliciar com os saqueadores da nação, e quando estes partiam de volta à metrópole, os "locais" e os "crioulos" adotavam (e efetivamente adotaram), sem pejo ou pudor algum, a mesma postura meramente extrativista, exploradora, autoritária, egoísta. Era, como ainda é, pois, uma espécie de "vício" - ou de "hábito", se preferirem. Portanto, fazia-se necessário acobertá-lo [ao vício] com falsas virtudes e muita hipocrisia. Doses cavalares de hipocrisia e dissimulação.

Hoje, como na época da colonização e do Império, reclamam-se dos impostos, enquanto, por debaixo dos panos, sonegam e remetem os recursos [tão escassos] não declarados para contas offshore. Ou seja, para além-mar.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Recursos estes expatriados que faltam, aqui dentro, para construir escolas e hospitais.

Os nossos "santos" parecem ser a mais perfeita e autêntica representação simbólica dos santos (e santas) do pau oco de tempos idos, passados, que insistem em retornar, sem de fato nunca terem ido; insistem em voltar; em se tornar, novamente, presente. Aos olhos desses "santos", conceitos como felicidade, justiça, dignidade, igualdade e fraternidade são meras palavras, também ocas, tão admiráveis quanto abstratas, que, para nossa elite, bem como para boa parte da nossa classe média, só são encontráveis, tal qual num oásis de virtudes compradas, atravessando-se o oceano – seja em direção à Miami ou em direção à Paris ou Zurique.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Agora, querem estragar mais uma riqueza e patrimônio nacional: Lula.

O ex-presidente Lula, você até pode não gostar dele, o que é plenamente "compreensível" até, digamos assim, após o incessante e diuturno bombardeio de infâmias e maledicências que, há anos, é inoculado na mente e na alma dos cidadãos brasileiros, via TV ou via grande imprensa de negócios, negociantes & negociatas. Mas Luiz Inácio Lula da Silva é uma personalidade admirada e respeitada, mundialmente, por sua trajetória; pela sua atuação no combate à fome e à miséria, no Brasil e na África. Já até perdi a conta de quantos títulos de Doutor Honoris Causa, Lula já recebeu. E por que terá recebido esses títulos?

Lula é um doutor "por causa da honra". Pelo menos, segundo os títulos que lhe têm outorgado diversas universidades de renome, respeitabilidade e credibilidade por todo o globo.

Já com relação aos indivíduos da elite e da classe média que o condenam e desrespeitam...

Já, praticamente, saquearam todas as empresas nacionais; levaram à falência a maior parte do empresariado brasileiro; já encheram as burras dos banqueiros; tentam, todos os dias arruinar a democracia; são corruptos; imorais... etc. etc.

Tentam agora, uma vez que não conseguiram "passar nos cobres", arruinar a Petrobras. E até – vejam bem – as antes "amigas" empreiteiras!

Onde estaria, portanto, a "honra" das nossas elites? Ao rés do chão. Impertinente, ouso apontar a resposta.

Agora, querem condenar e prender o Lula – com base no tal Domínio do Fato, provavelmente (não importando o fato, tampouco o domínio).

Ou seja, querem arruinar de vez a imagem do país lá fora.

Traduzindo o torpe modus operandi da nossa elite: se não conseguem retomar o controle da Casa-Grande pelo voto, e se a senzala se assanha em improvável alegria, o jeito é tocar fogo no país e colocar na cadeia seu maior líder operário que insinua o indesejável florescer de uma elite proletária.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO