Os submarinos da Austrália, novo episódio da crise imperialista

A “pirataria” dos EUA em relação a aquisição de submarinos pela Austrália, que havia acordo com a França, não agradou nada o imperialismo francês, que foi a público denunciar a "punhalada nas costas”

www.brasil247.com - O presidente francês Emmanuel Macron
O presidente francês Emmanuel Macron (Foto: Reprodução/TFI)


Por Juca Simonard

Um novo fato joga lenha na fogueira da crise do regime imperialista mundial. O pacto bélico estabelecido pelos Estados Unidos e a Inglaterra com a Austrália (Aukus) frustrou os planos da França, que tinha um contrato de U$90 bilhões relativo à aquisição de submarinos com o país da Oceania. 

Com o novo pacto, os EUA passaram por cima dos acordos feitos com a França em favor da aquisição pela Austrália de submarinos nucleares norte-americanos, em sua estratégia para intimidar a China. A França, importante exportadora de armas no mundo, pode perder o equivalente a US$ 65 bilhões, assim como sua autoridade no setor armamentício no Indo-Pacífico - onde o país mantém cerca de 7 mil soldados e patrulhas regulares no Mar Sul da China. Estima-se que na região vivam por volta de 2 milhões de franceses, como na Polinésia Francesa e na Nova Caledônia, entre outros territórios.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A “pirataria” do imperialismo norte-americano não agradou nem um pouco o imperialismo francês. O ministro das Relações Exteriores francês, Jean-Yves Le Drian, foi a público denunciar os membros da Aukus por “mentira, duplicidade, uma grande quebra de confiança e desprezo”. Le Drian denunciou que o torpedeamento dos negócios franceses foi uma “punhalada nas costas” e comparou o atual presidente dos EUA, Joe Biden, a seu antecessor, Donald Trump. Outras autoridades, como a ministra das Forças Armadas da França, Florence Parly, também denunciaram os norte-americanos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pela primeira vez desde o século XVIII, a França chamou de volta seu embaixador nos Estados Unidos para uma “consulta”. Da mesma forma, o embaixador francês na Austrália retornou ao país. O governo francês também cancelou uma recepção iminente na Embaixada da França em Washington, capital dos EUA.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fato é que a disputa é mais um episódio da crise imperialista que se arrasta há décadas, e pode atiçar os planos do presidente francês, Emmanuel Macron, de deixar a OTAN. Principalmente após a devastadora derrota do imperialismo no Afeganistão, deve se aprofundar a luta de classes entre as diversas potências imperialistas em busca de espoliar os recursos do mundo, o que coloca em perigo a própria União Europeia - da qual o Reino Unido já saiu - e seus acordos comerciais com os EUA.

Para manter o sistema capitalista internacional funcionando, o imperialismo precisa atuar de forma conjunta, fazendo acordos. Porém, volta e meia os países imperialistas brigam entre si para garantir seus interesses materiais diante da situação de crises econômicas e políticas ao redor do globo. A História já demonstrou o que acontece quando esta briga é levada até às últimas consequências, com a I e a II Guerras Mundiais, que quase levaram o capitalismo à bancarrota, não fosse o esforço da União Soviética e de seus aliados internacionais para derrotar a série de revoluções proletárias que explodiram no momento, como na França, na Itália e na Grécia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O aprofundamento da crise mundial tende a aumentar as tensões entre as diversas forças imperialistas do planeta, como ficou claro durante o governo Trump. Conforme observado nesta ocasião envolvendo a Austrália, a situação deve se estender com Biden. O racha do bloco imperialista dá bons sinais para os trabalhadores ao redor do mundo, pois significa que seus opressores estão em franca decadência. Nesse sentido, a derrota do imperialismo no Afeganistão aponta um caminho amplo de novas insurreições contra as classes dominantes internacionais.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email