Papa Francisco e o cristianismo de Malafaia

Quando falamos sobre evangélicos, inicialmente vem à cabeça figuras políticas que influenciam eleitores graças a canais de televisão e rádio com as credenciais de Malafaia, Edir Macedo, Valdemiro Santiago, R. R Soares, Sonia e Estevam Ernandes, e por ai, vai! É gente rica, que ficou rica graças a arrecadação manipuladora da fé dos pobres

(Foto: ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Não, não pretendo comparar Papa Francisco com Malafaia! Isso seria patético, além de ser inverossímil. Minha intenção é avaliar uma questão que vira e mexe vemos pessoas falar sobre a relação com os Evangélicos e a pratica cristã;

Primeiro, precisamos compreender que o fenômeno néo-pentecostal é um fenômeno de clamor do povo ao seu Deus. Não é uma questão econômica! Transformaram e manipularam para isso. Mas o que as pessoas querem mesmo é um sentimento de paz e um preenchimento do vazio existencial.

Gritar, pedir, clamar, chorar e se prostrar diante de Deus, para os pobres é a ultima e na maioria dos casos, a única saída possível. Na crise, o único a dar ouvidos ao sofrimento do povo. é Deus, através destes pastores que estão lá onde o poder público não chega.

Quando falamos sobre evangélicos, inicialmente vem à cabeça figuras políticas que influenciam eleitores graças a canais de televisão e rádio com as credenciais de Malafaia, Edir Macedo, Valdemiro Santiago, R. R Soares, Sonia e Estevam Ernandes, e por ai, vai! É gente rica, que ficou rica graças a arrecadação manipuladora da fé dos pobres. E isso quem diz, não sou eu. Quem diz isso é a declaração de rendimentos que os mesmos fazem e revistas especializadas como por exemplo a FORBES. 

https://epocanegocios.globo.com/Inspiracao/Vida/noticia/2013/01/forbes-lista-pastores-milionarios-no-brasil.html

Mas eles apenas desviam nossa atenção para compreendemos o que de fato acontece. Eu estudo esses fenômenos a vários anos e posso afirmar. Os manipuladores da fé do povo têm na base pessoas tão ou mais inescrupulosas que eles. São pastores e assessores destes pastores que tem uma vida cheia de luxos, mas que vivem falando com a autoridade que dizem vir da bíblia e do clamor daqueles pobres que gritam, pedem, clamam e choram diante de Deus. 

O que não conseguimos entender é que por mais manipuladores que sejam, eles estão todos os finais de semana e noites da semana, consolando e dizendo a estes pobres que Deus vai lhes socorrer. E que se o socorro ainda não veio, é porque a fé de quem pede é fraca. Para aumentar a fé, precisam cumprir algumas tarefas. Entre elas, pagar o dizimo e seguir politicamente seus líderes. Assim, elege-se um vereador! Assim, elege-se um deputado, assim elege-se um governador como esse de Rondônia e um presidente que é terrivelmente evangélico, segundo a definição do mesmo.

Papa Francisco, vem na contramão dessa lógica toda? A resposta é não!!! Quem está na contramão do Evangelho e dos motivos pelos quais Jesus Cristo viveu, morreu e ressuscitou, são os que fazem da Palavra de Deus um meio de manipulação opressora dos mais pobres. É óbvio que a fé popular quer um Deus que os proteja, já que Ele é o único que pode fazer isso, diante de homens e mulheres que em Seu nome, ficam ricos!

Evidente que Papa Francisco provoca uma discussão saudável nessa contradição, pois como dizia São Francisco aos seus seguidores: “Vão e preguem o Evangelho, e se for necessário falem”! Ou seja, está na nossa pratica o segredo para construir a ação libertadora de nosso povo.

A Teologia da Libertação continua onde sempre esteve. No meio dos pobres e mostrando Deus naquilo que é simples, pobre e belo. Para a fé do povo é simples. Pequenos sinais são suficientes para que acreditem. Então, precisam apenas saber que há um inimigo que está sendo combatido e para serem protegidos deste inimigo, precisam de pastores que afastem os lobos da fé. 

É nisso que uma parcela enorme da militância politica que tem os mesmos princípios de libertação do povo, estão falhando. Há pelo menos 10 anos venho alertando o PT e as lideranças políticas de esquerda, que existe a necessidade de não fazer juízo de valor sobre a fé de quem quer que seja. O que precisa é ir onde o povo está. É se aproximar de padres, pastores e bispos e se colocar à disposição para oferecer seu ponto de vista sobre tudo isso que está acontecendo. 

Nossos líderes também se acomodaram em suas bolhas de poder. A contradição e o enfrentamento ideológico nesse campo deixaram de ser uma tarefa militante pra não gerar ruídos com o eleitorado. É um erro!  Enquanto não apontamos para as contradições a direita vai gerando hegemonia política. A questão é de enfrentamento! Ou apontamos para estas contradições de forma explícita, ou nos submetemos as forças obscuras da religiosidade mentirosa daqueles que dizem adorar um Deus, mas combatem a pratica libertadora do Senhor dos pobres e desvalidos, Jesus Cristo!

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247