Pedro e a pedra filosofal

www.brasil247.com -
(Foto: Luanna Falcão)
Siga o Brasil 247 no Google News

I

Sob Pedro há uma pedra.

Pedro e a pedra existem, mas só Pedro sabe de si – e da pedra. 

PUBLICIDADE

Pedro e a pedra resistem, mas só Pedro sabe de si – e da perda. 

Sobre Pedro há uma pedra.

II

PUBLICIDADE

Pedro, 

que existe para si, 

olha, fixamente, 

PUBLICIDADE

para a pedra, 

que existe 

para o outro. 

PUBLICIDADE

Pedro, trêmulo, fecha os olhos. 

A pedra lembrada por Pedro, imagem.

A pedra desejada por Pedro, miragem.

Miragem mole, pedra dura.

Duro, Pedro só estala.

Dura, a pedra só está lá. 

Em si, a pedra é dura, tangível e inanimada. 

(O outro de pedra, corpo.)

Em Pedro, a pedra, animadíssima, é mole e tangível. 

(O outro da pedra, aura.)

Seria o desejo o quem da pedra? 

Seria o desejo alguém na pedra?

III

Pedro pode olhar para a pedra. 

A pedra não pode olhar para Pedro. 

Pedro, alado pela consciência, perpetua a liberdade.

Pedro não pode matar a pedra. 

A pedra pode matar Pedro. 

Pedro atado à consciência: prisão perpétua.  

IV

Pedro pode olhar para a pedra. 

A pedra não pode olhar para Pedro.

Pedro pode olhar para si mesmo 

(Pedro é sujeito e objeto de si mesmo).

Pedro existe para si mesmo 

(Pedro, sendo uno, é duplo).

Pedro existe em si mesmo.

(Pedro é um outro para si mesmo). 

A pedra não pode olhar para si mesma.

A pedra existe para o outro.

A pedra, sem o olhar de Pedro, existe em si mesma?

Intangível, a consciência de Pedro pode olhar. 

Tangível, a pedra cega não tem consciência. 

Para a consciência de Pedro (sujeito), 

o corpo de Pedro é algo exterior 

como a pedra (objeto): 

como uma ponte, 

a consciência (sujeito-objeto) une 

as margens do ser.

V

Possuído pela fúria, Pedro se vinga com a pedra. 

(Pedra do louco.)

Possuído pela culpa, Pedro é a vingança da pedra. 

(Louco de pedra.)

VI

Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei o meu reino: 

“Pedras da lei!” – decreta Pedro, o revolucionário.

“Leis de pedra!” – vocifera Pedro, o torturador.

Onde está a lápide do meu filho, Pedro?

VII

Tu és pedra, e sobre este Pedro edificarei o meu reino: 

“Pedras da lei!” – discursa Pedro, o revolucionário.

“Leis de pedra...” – balbucia Pedro, o torturado.

Onde está a lápide do meu filho Pedro?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email