Pesquisas apontam tendência: Bolsonaro tem leve recuperação

"Não é produtivo, nem inteligente, vociferar contra todas as pesquisas que apontam alguma recuperação de Bolsonaro", comenta o jornalista Rodrigo Vianna

www.brasil247.com - Bolsonaro e Lula
Bolsonaro e Lula (Foto: Reuters | Ricardo Stuckert)


Por Rodrigo Vianna

Existe entre setores de esquerda no Brasil uma desconfiança em relação às pesquisas eleitorais que pode levar a um autoengano. 

É preciso separar o joio do trigo. Há pesquisas claramente enviesadas, encomendadas para sustentar a ideia de que Bolsonaro avança como um foguete. Sim, há. Mas há também diferenças numéricas provocadas por metodologias diferentes. Importante estar atento a isso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não é produtivo, nem inteligente, vociferar contra todas as pesquisas que apontam alguma recuperação de Bolsonaro: “estão compradas, não confio, tudo feito por telefone, Lula já ganhou”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alto, lá! 

Algumas dessas pesquisas não presenciais (conduzidas por gente respeitada no mercado) apontaram queda de Bolsonaro e ampliação da vantagem de Lula em 2021. Agora, mostram tendência um pouco diferente. Serviam em 2021 e não servem agora?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Muita calma nessa hora.

Parece verdade que pesquisas presenciais captam melhor a intenção de voto porque não subavaliam o público de mais baixa renda: nas pesquisas por internet/telefone, há dificuldade objetiva de se chegar a esse público.

Ainda assim, há várias enquetes feitas por telefone que são sérias e que – ainda que não captem os índices de voto com absoluta precisão – são capazes de captar, sim, as tendências gerais do eleitor. E, convenhamos, com tamanha distância para a eleição, a tendência é mais importante do que o número exato.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Isso tudo pode ser confirmado, em levantamentos presenciais DataFolha, Quaest e IPEC, nas próximas semanas.

Aguardemos... Mas é possível afirmar que o Brasil chega ao Carnaval de 2022 com uma tendência bem delineada nas pesquisas, sejam elas por telefone/internet, sejam presenciais:

- Lula no mesmo lugar, com algo entre 42% e 48% dos votos totais (na média, 45%), é favorito;

- Bolsonaro, com discreta melhora em seus índices, marca de 23% a 28% (na média 25%);

- Moro, em queda ou parado, tem algo entre 6% e 9% (na média, 8%);

- Ciro, no mesmo patamar, tem entre 6% e 9% (na média, 8%);

- Doria, patinando, marca de 1% a 5% (na média, 3%).

O que é importante observar: Moro se torna inviável e Bolsonaro recupera (lentamente) algum terreno.

Esse é um fato que não surge apenas “nas pesquisas fajutas pagas por banqueiros”, ou “nas pesquisas manipuladas, feitas por telefone” – como dizem alguns nas redes.

O papel do jornalista é não brigar com os fatos. E apurar com mais de uma fonte.

Pois bem: há uma semana, ouvi de um dirigente do PT (parlamentar, deputado eleito por estado do Nordeste) a avaliação clara de que Bolsonaro “recuperou uns 5 pontos entre os mais pobres”. Isso surge em levantamentos internos, não divulgados. A explicação desse parlamentar para o fenômeno: Auxílio Brasil e Vale Gás.

Outro movimento parece estar em cena: eleitores conservadores, que haviam migrado para Moro, parecem voltar a Bolsonaro, na medida em que o ex-juiz se mostra inviável.

Esse movimento, tênue ainda, das últimas semanas é suficiente para que Bolsonaro se recupere de maneira estrondosa ao longo de 2022? Não. Até porque a guerra na Ucrânia deve provocar um repique nos preços de combustíveis e, portanto, impactar também preços de alimentos, apagando o pequeno alívio provocado por Vale Gás e auxílio de R$ 400,00.

Mas o quadro atual indica uma eleição que deve entrar na sua reta final com um cenário de Lula 45%, Bolsonaro 30%, Ciro/Doria/Outros 10%, Brancos/Nulos 15%. Com esse cenário, a eleição pode se definir em primeiro turno, mesmo que Lula não alcance patamares ainda mais altos.

Pequenos deslizamentos de voto “útil” podem ser suficientes para que a definição seja antecipada. E lembremos: o voto útil (pela direita) pode beneficiar também Bolsonaro.

Portanto, estejamos preparados para pesquisas em que a diferença de Lula para Bolsonaro se estreite para algo em torno de 15 pontos. Será o suficiente para ganhar (em primeiro ou segundo turno). Mas indica que a extrema-direita seguirá forte por vários anos no Brasil.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email