Pior que as grosserias de Bolsonaro e Guedes é o aplauso de setores da sociedade

"Em Fortaleza, uma plateia de empresários aplaudiu, alegremente, a fala na qual Paulo Guedes, ministro da Economia, ressuscitou a grosseria de Bolsonaro sobre Brigitte Macron", destaca Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia. "É preciso deixar a cadela do fascismo sempre no cio", critica. "É certo que um dia, espero que, em breve, essa gente horrível voltará para o ninho de ratos de onde jamais deveria ter saído"

Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes
Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Leandro Fortes, do Jornalistas pela Democracia

Em Fortaleza, uma plateia de empresários aplaudiu, alegremente, a fala na qual Paulo Guedes, ministro da Economia, ressuscitou a grosseria de Bolsonaro sobre Brigitte Macron. 

Chamou-a de feia, mais especificamente, reiterou-lhe a feiura, para dar razão ao preconceito e à deselegância do chefe, com quem aprendeu uma lição fundamental: é preciso deixar a cadela do fascismo sempre no cio.

Guedes, com seu aspecto repugnante de derretimento moral, deve se achar lindo. Assim como Bozo, em seu delírio particular, tentando articular palavras com a boquinha torta e mal cheirosa com a qual ofende, insulta e desrespeita meio mundo. 

Ainda assim, tanto um quanto o outro sempre encontram plateias para seus arroubos. Sempre. E esse é um problema maior do que os dois.

Enquanto houver gente disposta a aplaudir a fala de imbecis e a louvar-lhes as considerações cretinas, a democracia vai estar sempre em perigo.

É certo que um dia, espero que, em breve, essa gente horrível voltará para o ninho de ratos de onde jamais deveria ter saído. 

Mas, ainda assim, nos restará a tarefa inadiável de enfrentar as razões que levaram a nação a elegê-los e, mesmo antes disso, aplaudi-los. 

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247