Política de Temer é o combustível para o caos

"Estamos diante de um caos, de um desastre anunciado e provocado pelo governo que tem a principal responsabilidade desse apagão. Isso é consequência de uma política energética brasileira que optou pelo caminho da velha lógica de exportar matéria prima, ou seja, enviar para o exterior o nosso óleo que tá sendo explorado no fundo do oceano e importar os combustíveis, a um preço muito mais alto", diz a deputada Luciana Santos, presidente do PCdoB, sobre a crise provocada pela greve dos caminhoneiros contra a política de preços de Pedro Parente

www.brasil247.com - "Estamos diante de um caos, de um desastre anunciado e provocado pelo governo que tem a principal responsabilidade desse apagão. Isso é consequência de uma política energética brasileira que optou pelo caminho da velha lógica de exportar matéria prima, ou seja, enviar para o exterior o nosso óleo que tá sendo explorado no fundo do oceano e importar os combustíveis, a um preço muito mais alto", diz a deputada Luciana Santos, presidente do PCdoB, sobre a crise provocada pela greve dos caminhoneiros contra a política de preços de Pedro Parente
"Estamos diante de um caos, de um desastre anunciado e provocado pelo governo que tem a principal responsabilidade desse apagão. Isso é consequência de uma política energética brasileira que optou pelo caminho da velha lógica de exportar matéria prima, ou seja, enviar para o exterior o nosso óleo que tá sendo explorado no fundo do oceano e importar os combustíveis, a um preço muito mais alto", diz a deputada Luciana Santos, presidente do PCdoB, sobre a crise provocada pela greve dos caminhoneiros contra a política de preços de Pedro Parente (Foto: Luciana Santos)


Estamos diante de um acontecimento desastroso para o país. Mais um grande apagão comandado por Pedro Parente, a mesma figura que foi responsável pelo apagão energético no início dos anos 2000, ainda no governo de Fernando Henrique Cardoso, e que atualmente é o presidente da Petrobras.

Nós estamos vendo uma paralisia dos serviços no país. Em tudo quanto é cidade filas quilométricas nos postos de gasolina e os vários impactos disso na vida do cidadão, do trabalhador comum que está diretamente afetado no seu direito de ir e vir.

Estamos diante de um caos, de um desastre anunciado e provocado pelo governo que tem a principal responsabilidade desse apagão. Isso é consequência de uma política energética brasileira que optou pelo caminho da velha lógica de exportar matéria prima, ou seja, enviar para o exterior o nosso óleo que tá sendo explorado no fundo do oceano e importar os combustíveis, a um preço muito mais alto.

É espantosa a diferença de janeiro a abril de 2018, informada pelos dados oficiais do governo. Entre os 15 principais produtos importados pelo Brasil, em primeiro lugar está o óleo diesel. Em seguida vem o petróleo — mesmo óleo bruto que a gente importa —, depois vem o carvão e em quarto a nafta, que é um derivado do petróleo usado para produção de gás. Em sétimo temos a gasolina e em décimo quinto o álcool. Atentem para o fato de que entre os quinze primeiros itens de importação está a base do nosso gás de cozinha, é por isso que a população nordestina está voltando a cozinhar com lenha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É preciso que se diga que essa mudança na política energética é uma mudança recente na lógica do país. Das 15 refinarias do Brasil essa gestão da Petrobras quer privatizar quatro e fez uma clara opção de importar os produtos de valor agregado, ao invés de produzir no nosso país. Isso significa que o maior beneficiado dessa política são os Estados Unidos, que exatamente nesse período elevaram brutalmente sua participação nas importações brasileiras. Reparem que o óleo diesel era cerca de 40% do que a gente importava antes do impeachment e agora é cerca de 80%. Isso é nada mais, nada menos que 1,84 bilhões de dólares em óleo diesel exportados dos EUA para o Brasil, ou seja, são 6,7 bilhões de reais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esse é o resultado da política entreguista e antinacional, que prefere percorrer o caminho de volta ao século XX, onde somos exportadores de matéria prima e importadores de manufaturados. Essa é uma lógica perversa que faz com que a gente priorize a importação, reduzindo a produção nas refinarias nacionais, e importe os produtos oriundos da nossa cadeia tão rica que é a cadeia de óleo, gás e petróleo do nosso país. Esse é o verdadeiro pano de fundo do que está acontecendo no país. É por isso que, mais que nunca, é preciso dizer: Fora Temer!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email