Por onde anda a estrela e líder da oposição?

Por onde anda a maior estrela da oposição, querido por estrelas, empresários políticos, pessoas comuns, enfim, aquele que por pouco não ocupou a Presidência da República e que, certamente, seria nome provável para estar no segundo turno da eleição deste ano e ainda influenciar na eleição em Minas?

Brasília - Senador Aécio Neves fala à imprensa após audiência com o presidente Michel Temer no Palácio do Planalto (Wilson Dias/Agência Brasil)
Brasília - Senador Aécio Neves fala à imprensa após audiência com o presidente Michel Temer no Palácio do Planalto (Wilson Dias/Agência Brasil) (Foto: Voney Malta)

No início desta semana o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) teve um encontro com empresários no interior de Minas Gerais. Mas o que lhe interessava mesmo era convencer o senador Antonio Anastasia a disputar o governo dada a necessidade de ter um palanque no segundo maior colégio eleitoral do país.

A ideia foi rechaçada pelo senador, mais uma vez, com o argumento de que já governou o estado.

Entre tantos tucanos presentes importantes para recepcionar Alckmin faltava um, o que foi notado por um daqueles jornalistas chatos que perguntou:

- "governador, e o Aécio, por que não está aqui?"

- "Não sei, tem que saber dele", respondeu e foi embora.

Pois bem, por onde anda a maior estrela da oposição, querido por estrelas, empresários políticos, pessoas comuns, enfim, aquele que por pouco não ocupou a Presidência da República e que, certamente, seria nome provável para estar no segundo turno da eleição deste ano e ainda influenciar na eleição em Minas?

Eu mesmo não sei, mas sei que nenhum político que vá disputar uma eleição majoritária quer o apoio público do senador Aécio Neves. Hoje ele é um fantasma político, perdeu o status de líder, vive no ostracismo, nas sombras e sequer deverá disputar a reeleição ao Senado por motivos óbvios da esfera jurídica e policial.

É que esta semana o seu nome voltou ao noticiário pela segunda vez. Os bancos entregaram informações ao ministro do STF Marco Aurélio Mello sobre o seu sigilo, da sua irmã Andrea, do seu primo Frederico Pacheco, e do assessor do senador Zeze Perrella.

Essa ação faz parte da Operação Patmos, onde Aécio é suspeito de ter recebido propina de R$ 2 milhões da JBS. O pedido da quebra de sigilo bancário e fiscal foi feito pela PGR a partir da delação dos dirigentes da empresa que 'descreveram relação espúria entre o grupo empresarial e o senador da República Aécio Neves da Cunha, reportando-se ao pagamento de propina, no valor de R$ 60 milhões, em 2014, realizada por meio da apresentação de notas fiscais frias a diversas empresas indicadas pelo parlamentar'.

E de acordo com eles, os valores serviam para a suposta compra de partidos que apoiariam o tucano nas eleições daquele ano.

Respondendo a pergunta do título, é assim que está Aécio Neves, cercado, fragilizado, com discurso perdido e quase destruído politicamente.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

blog

O Império contra-ataca

Para o jornalista Leonardo Attuch, editor do 247, Jair Bolsonaro tentará fazer com Glenn Greenwald exatamente o que Trump fez com Julian Assange, do Wikileaks; "O jogo é pesado. O 'Ocidente' está...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247