Por onde passa, PMDB deixa um rastro de malandragem

O empresário Henrique Constantino disse também ter repassado propina pela mesma razão ao deputado Henrique Eduardo Alves, o primeiro a abandonar o governo Dilma, como ex-ministro do Turismo, para engrossar a turba golpista

Henrique Alves Michel Temer
Henrique Alves Michel Temer (Foto: Chico Vigilante)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O Brasil  foi surpreendido mais uma vez nesta noite de sábado, 18 de março, com mais um escândalo da república podre de Michel Temer.

O empresário Henrique Constantino, acionista da Gol Linhas Aéreas, confirmou aos procuradores  da Lava Jato ter pago propina para o ex-deputado Eduardo Cunha e o corretor Lúcio Funaro, ambos presos pela Operação Lava Jato, para contrair empréstimos de R$ 300 milhões do FGTS, da Caixa Econômica, setor controlado pelo PMDB.

Ele disse também ter repassado propina pela mesma razão ao deputado Henrique Eduardo Alves, o primeiro a abandonar o governo Dilma, como ex-ministro do Turismo, para engrossar a turba golpista.

O fato mostra mais uma vez que por onde o PMDB passa ele deixa um rastro inequívoco de malandragem. A corrupção peemedebista já atingiu o mar, a terra e o ar : escândalos da Petrobras, da carne podre e agora de companhia  aérea.

A saída para o fim desta república podre é a realização imediata de eleições diretas com uma Constituinte exclusiva, única forma de lavar este país com sal grosso para que entre novamente nos trilhos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247