Por que os grandes são sempre possuídos pela esperança?



Por que os grandes homens e as grandes mulheres são sempre tomados, possuídos pela esperança?

Poderíamos responder: porque escolhemos como grandes aqueles que fazem convergir, como um segundo e mais agudo espelho, a nossa própria esperança; fazemos grandes aqueles que purificam e tomam em suas mãos o polimento de nossa feia ansiedade.

Mas creio que é mais interessante encarar o mesmo fato por outro ângulo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os grandes homens e as grandes mulheres são esperançosos porque viram. Sim. É tentador pensar que a grandeza é visão, e justamente visão daquilo que os motiva a esperar. Pois esses mesmos grandes são os espancados, os torturados, os presos, os assassinados - e suas almas tempos depois ainda vibram, como se permanecesse um arrepio, preso como um gênio, na gramatura das páginas que evocam seu nome.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O que viram? Que coisa magnífica puderam enxergar no escuro, qual a doida verdade que lhes surgiu da prisão - São João Batista libertado por anjos, vendo com a cabeça assustada, olhos assustados, sobre a auréola de uma travessa de prata.

Crer na racionalidade como motor do mundo é uma mistificação. Enquanto homens e mulheres importantes, versados em seus conhecimentos econômicos, polemizam, discutem, apontam o apocalipse no fim da rua, o grande homem e a grande mulher são tocados por uma esperança alucinatória. Também debatem, discutem. Mas a diferença só se explica pela absurda visão - e não pela contabilidade técnica. É claro que ninguém ignora a razão, mas a sabedoria parece estar no fato de usá-la em consonância com os olhos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O que veem, portanto?

Ninguém vê o futuro. É delicioso imaginar que olhos de agora - os meus, os teus - são olhos que já conseguem ver o Messias. Que são capazes de descortinar o tempo, como anjos algo neandertais que nos cuspissem nos olhos e nos arrancassem as lentes da culpa, que são capazes de tirar da frente essa percepção cardíaca, viciada, afundada até o pescoço no lamaçal da história, e enxergássemos enfim o dia da Redenção, o espelho em que sempre esteve fixo o Rosto.

Mas ninguém vê o futuro. O que veem os grandes? Veem as pequenas e grandes ações desinteressadas, a Graça exposta em toda esquina, a bondade, a humildade e a luta, as coisas mais banais e portanto extraordinárias: o simples ato de perguntar e ser respondido. Veem a mãe que é feliz ao preparar o almoço para o filho já adulto, como se seu leite fosse infinito. E, assim, se constrói a visão do futuro, a leve e irremovível pedra da Esperança.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ninguém vê o futuro. O que veem, então, os grandes entre nós?

De um modo que até mesmo nós nos esquecemos, eles nos veem.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email