Por uma Câmara autônoma, independente e em defesa da vida e da democracia

Deputado José Guimarães (PT-CE) afirma, sobre a composição de partidos de esquerda com o centro e a centro-direita, que "o principal desafio é derrotar Jair Bolsonaro e o bolsonarismo, garantir um Legislativo independente e combater políticas antidemocráticas, ultraliberais e antinacionais"

www.brasil247.com - Baleia Rossi se reúne com líderes de esquerda
Baleia Rossi se reúne com líderes de esquerda (Foto: Reprodução/Youtube)


O processo em curso para a eleição da Mesa Diretora da Câmara é de extrema importância para a democracia brasileira. O principal desafio é derrotar Jair Bolsonaro e o bolsonarismo,  garantir um Legislativo independente e combater políticas antidemocráticas, ultraliberais e antinacionais. 

Para entender a composição da esquerda com outros partidos de centro e de centro-direita tendo como objetivo maior a salvaguarda de conquistas democráticas, é preciso resgatar o histórico do processo de consolidação do bloco de Oposição na Câmara. Num processo conduzido pela Liderança da Minoria na Casa, a unidade dos partidos de esquerda proporcionou a discussão de projetos fundamentais em tempos de pandemia de Covid-19. 

Genocídio - Essa articulação foi decisiva: além de votar os projetos importantes, demos  todas as condições para  o governo atuar no combate à Covid-19, ainda que Bolsonaro e seus ministros tenham sido omissos e irresponsáveis, cometendo crime de genocídio. A união da esquerda (PT, PSB, PCdoB,  PDT,  PSOL e Rede) impediu que o governo impusesse matérias de seu interesse, como a autonomia do Banco Central e privatizações. A oposição teve papel decisivo, num diálogo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e os partidos da centro-direita. O  ponto máximo foi a votação do Fundeb 100% público. Sem os votos da centro-direita,  não teríamos  garantido o texto do Senado que alterou a absurda votação da Câmara que repassava recursos públicos para escolas privadas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A oposição teve papel decisivo, num diálogo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e os partidos da centro-direita. O  ponto máximo foi a votação do Fundeb 100% público.  Sem os votos da centro-direita,  não teríamos  garantido o texto do Senado que alterou a absurda votação da Câmara que repassava recursos públicos para escolas privadas.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A esquerda teve protagonismo, com unidade e altivez, reafirmando seus compromissos com o País e a defesa da vida. Unida, conseguiu articular a aprovação de projetos sumamente importantes para o País na pandemia. O Orçamento de Guerra  e a flexibilização  da Lei de Responsabilidade Fiscal, por exemplo, foram garantidos a esse governo irresponsável, mostrando  que a oposição, mesmo sem a visibilidade necessária dada pela grande mídia,  atuou e fez por onde ter  reconhecimento da sociedade brasileira.

Unidade da esquerda - Ao longo do processo, surgiu a ideia de se tratar do comando da Câmara. Essa ideia é embasada em quatro grandes eixos, os quais orientaram a formação do Bloco formado por onze partidos: a) derrotar o candidato de Bolsonaro e o bolsonarismo, b-) garantir a unidade dos partidos de esquerda, pelo simbolismo que isso tem dentro e fora do Parlamento, c) apresentarmos uma plataforma  programática para o futuro candidato, d) garantir o funcionamento democrático e a independência  do Legislativo. Esses pontos estão fixados em Manifesto lançado semana passada e na Carta-compromisso do dia 28 de dezembro. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A constituição do bloco para a eleição de um candidato não alinhado com Bolsonaro não significa acordo para as eleições de 2022,  em outra conjuntura. No caso especifico do PT: o partido não está fazendo nenhum acordo para 2022. Trata-se tão somente de um acordo tácito  para a presidência da Câmara e os demais cargos da  Mesa Diretora. Para fincar compromisso republicano na defesa da democracia, dos direitos  civis e políticos, restaurar os direitos políticos de Lula, interditar as pautas conservadores do ponto de vista dos costumes  e alguns pontos da pauta econômica. A garantia de direitos os mais amplos possíveis é uma constante da atuação do PT no Congresso Nacional.

Conquistas históricas - Naturalmente, o ideal seria um candidato da esquerda para a presidência da Câmara, mas a correlação de forças não permite. Portanto, fazemos movimento  explicito e tático com quem efetivamente tem compromisso  com as conquistas históricas da democracia brasileira. O PT não está abrindo mão de nenhuma posição. Pelo contrário. É  acordo tácito para garantir o funcionamento do Legislativo à luz de compromissos explicitados nos manifestos já divulgados por PT, PSB, PCdoB, PDT e Rede.

É preciso todo o esforço para evitar o isolamento. Um partido do tamanho e importância do PT não pode ficar isolado da gestão política da Câmara dos Deputados. Os espaços  institucionais são decisivos. Quem discorda  desse fato, o que fala sobre a composição do PT com forças que não são de esquerda para a direção das Assembleias Legislativas nos estados?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Portanto, não está errada a estratégia de apoiar um candidato antibolsonarista para a presidência da Câmara , lastreada nos compromissos programáticos que ele assumir perante o Parlamento e a sociedade brasileira.

Golpe de 2016 - É obvio que sabemos que muitas das forças da atual composição patrocinaram o golpe contra a ex-presidenta  Dilma Rousseff. Temos que levar em consideração esse fato, mas também considerar que o País está fazendo um ajuste com sua história- e no bojo desse processo há muitos que  patrocinaram o golpe de 2016, inclusive gente da esquerda, que participou daquele triste episódio da história brasileira.

O País tem que andar. Nós vamos manter a mesma posição em defesa da democracia, entendendo que o que aconteceu com a companheira Dilma foi algo que maculou o processo  democrático brasileiro. Mas daqui para a frente temos que seguir. Nossa posição é a de construir um caminho que seja capaz de restaurar plenamente as liberdades democráticas e o funcionamento democrático das instituições.

Nesse momento decisivo da história brasileira, em que o País é marcado por profundos retrocessos políticos, sociais, econômicos, trabalhistas e ambientais patrocinados por um governo neofascista, é de suma importância eleger um presidente da Câmara contrário ao desmantelamento de nossas conquistas civilizatórias  históricas.

Não ao isolamento - Eu temo que os que defendem candidatura própria da oposição podem pavimentar o caminho para a vitória de nosso adversário potencial que é o deputado Arthur Lira. O PT precisa evitar o isolamento, garantir gestão compartilhada da Câmara, com programas e diretrizes claras e transparentes para a sociedade, com projetos de interesse nacional. Precisamos avançar. Candidatura  própria ficaria apenas no âmbito do PT e PSOL, sem chances de vitória. Seria um erro histórico que, além de tudo, prejudicaria, aí sim, de modo irreversível, a unidade para  2022.

Para 2022, há desafios importantes para as esquerdas. Um deles são alianças e entendimento entre as forças progressistas dos País, para enfrentar tanto o bolsonarismo como a centro –direita nas próximas eleições presidenciais. O segundo desafio para a esquerda é a apresentação  de um programa centrado em três eixos: emprego e renda, reformas estruturantes e o retorno do papel do Estado para a proteção social e à vida, com enfrentamento à pandemia de Covid-19. O terceiro ponto é a constituição de uma mesa nacional com as forças de esquerda – PT, PSB, PCdoB, PDT, PSOL  e Rede – para discutir um programa a ser apresentado ao País, como também, mais à frente, nomes para a disputa eleitoral que será decisiva para o futuro do Brasil. Um partido com o peso do PT tem responsabilidade com a estabilidade econômica e política do País e, necessariamente, tem que liderar, sem hegemonismo,  as forças de esquerda para pensarmos um projeto de nação.

Movimentos sociais - É relevante também discutir com o conjunto dos movimentos sociais a importância deles na articulação com os partidos  do campo da esquerda para pensarem, juntos, um amplo programa de proteção social  para o País, já mergulhado numa profunda crise sanitária e vai se agravar em 2021. Já que governo é incompetente, cabe às forças democráticas e às esquerdas  apontar uma alternativa ao descalabro implementado por Bolsonaro. 

Nesse cenário, o sinal dado pela Câmara - para a formação de um bloco em torno de um nome não bolsonarista para a presidência  da Casa, num movimento junto com as forças de esquerda –tem repercussão histórica, em defesa da democracia e de conquistas que tivemos ao longo de décadas.  

Ao nos unirmos ao bloco, não estamos renunciando a nada que defendemos para o povo brasileiro e os interesses nacionais. Estamos apenas saindo de um casulo, numa estratégia que amplia as possibilidades de derrota do bolsonarismo , que é uma ameaça constante à democracia, ao meio ambiente, às liberdades  e ao Estado Democrático de Direito.

Avante! Um 2021 com muita saúde e paz para todas e todos!

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email