Porquê Bolsonaro é genocida

"O que Bolsonaro pratica, ao escolher a imunidade de rebanho como resposta ao vírus, é o extermínio de vulneráveis por meio da saúde pública, especialmente a população indígena, preta e pobre", escreve a doutoranda em História pela UFMG Carla Teixeira em resposta a declaração do jornalista Glenn Greenwald

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


A etimologia da palavra genocídio vem do grego: geno – raça + cídio – matar, referindo-se ao extermínio proposital que mata uma comunidade ou um grupo étnico, religioso, uma cultura ou civilização. Os exemplos históricos mais conhecidos remetem ao genocídio dos povos indígenas das américas e ao assassinato em massa de judeus e outras minorias durante a Segunda Guerra Mundial.

Em entrevista ao jornal bolsonarista “Gazeta do Povo”, circulado no estado do Paraná, o jornalista estadunidense Gleen Greenwald apontou que considera desonesto dizer que Bolsonaro é genocida e trata tal adjetivação como uma ofensa intelectual e histórica. Para o jornalista, o mesmo se dá com o uso de termos como “racismo” e “misoginia”, cuja exagerada utilização acaba gerando o descrédito.

À parte o desconforto (e a indignação) que causa ler falas proferidas por um homem branco, rico, cheio de privilégios que se acha no direito de dizer sobre o uso adequado de conceitos que procuram denunciar opressões seculares sofridas por povos violentados, há um completo desserviço nessa entrevista, principalmente quando se leva em conta a realidade que atualmente vive o Brasil e todo o povo brasileiro.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aqui, genocida tornou-se o principal adjetivo (e ao meu ver, historicamente, o mais adequado) para caracterizar o presidente. Como mostrou a recente pesquisa realizada pelo Centro de Estudos e Pesquisas de Direito Sanitário da USP, em parceria com a Conectas Direitos Humanos, houve uma estratégia de propagação da Covid-19 no Brasil, implementada sob a liderança do presidente da República que sempre defendeu a imunidade de rebanho e boicotou as medidas de contenção ao vírus, incluindo o distanciamento social, o uso de máscaras e a vacinação em massa da população.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com a pesquisa, a ação do governo se deu em três eixos: primeiro, a propaganda contra a saúde pública por meio de gestos protagonizados pelo próprio presidente, incluindo a propaganda de medicamentos ineficazes com o objetivo de oferecer uma falsa sensação de segurança à população; segundo, combate às iniciativas de governadores e prefeitos, com ameaças de utilizar o Exército contra as medidas de restrições tomadas localmente e o atraso no repasse de recursos; terceiro, a atuação normativa, com a publicação de decretos que definiram como essenciais uma série de atividades durante a pandemia e vetos às principais leis que buscavam conter a disseminação do vírus, principalmente relativas à obrigatoriedade do uso de máscaras e à proteção de indígenas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda em julho de 2020, o ministro do STF, Gilmar Mendes, foi o primeiro a denunciar o morticínio em curso. Ao criticar o vazio de comando na pasta da saúde, comandada pelo general Pazuello (até então, ministro interino) e uma corja de milicos sem qualquer competência técnica, Gilmar disse que a situação ligava o Exército ao genocídio causado pela Covid-19 no Brasil, que naquele período sequer contava 100 mil mortes. À época, o ministro foi duramente criticado por militares, sendo alvo de uma contundente nota do ministério da Defesa. Enquadrado pelos fardados, Gilmar se retratou e disse que se referia ao genocídio dos povos indígenas que estavam sendo dizimados pelo vírus.

Como exposto, é possível perceber que o homicídio em massa tem método e público alvo: são homens, pretos, indígenas, quilombolas e pobres que em sua maioria não têm acesso a atendimento médico adequado e acabam elevando as cifras do genocídio em curso no nosso país. Ao lembrar que o atual presidente se refere publicamente à população preta e quilombola medindo seu peso em arrobas (unidade utilizada para o peso de bois), dizendo que “não servem para nada, nem para procriar”, fica evidente o racismo do atual presidente e o seu completo desprezo pela vida da população preta e pobre deste país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com a jurisprudência penal internacional, as pressões públicas que levem a população civil a agir de determinada maneira, segundo um plano pré-concebido através da mobilização de meios públicos e privados, é considerado um crime contra a humanidade. O que Bolsonaro pratica, ao escolher a imunidade de rebanho como resposta ao vírus, é o extermínio de vulneráveis por meio da saúde pública, especialmente a população indígena, preta e pobre.  

Hitler construiu campos de concentração e manteve uma intensa propaganda para garantir o sucesso de suas tenebrosas ações contra judeus e outras minorias étnicas. Aqui, Bolsonaro jamais precisou erigir câmaras de gás para sufocar o povo brasileiro. Mais triste do que tais episódios é ler jornalista estrangeiro, que se apresenta como defensor da liberdade e da democracia, passando pano pra genocida em folhetins da extrema-direita.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email