Precisamos de mais Semanas de 22 nos dias atuais

www.brasil247.com - Theatro Municipal de São Paulo
Theatro Municipal de São Paulo (Foto: Sylvia Masini/Divulgação)


Sustento que precisamos mais de Semanas de 22 do que a liberação de porte de armas. A Semana de Arte Moderna representa hoje um marco na arte contemporânea do Brasil. É aquele momento em que a arte como um todo está de mãos dadas contra a sociedade colonialista de uma maneira geral, rompendo com tradições e inaugurando a sociedade moderna no país. Tudo era dilatado pela gradativa industrialização e inserção do país ao capitalismo. Pelo mundo, já estávamos vendo a aurora deste mundo moderno através de projetos arquitetônicos como os de Frank Lloyd Wright ou os trabalhos de Walter Gropius. Esse despojamento já estava em ascensão e ajudou a nos livrarmos de efeitos estilo bolo de noiva. Tanto na arquitetura quanto nas artes plásticas. 

Mas apesar dos grandes nomes como Pedro Américo, Vitor Meirelles, Oswaldo Teixeira,  e embora de riqueza pictórica incrível, o Brasil se descobria através da literatura de Euclides da Cunha, com Os Sertões. Aquelas ditas artes históricas tinham um ar europeu, a literatura era parnasiana e nada combinava com as mazelas herdadas pelo fim da escravidão em poucos anos, que contrastava com o comodismo burguês. As novas  temáticas aos poucos iam interessando aos novos artistas. Rio de Janeiro, apesar de ter sido a casa de D. João, o neoclássico ainda era bastante presente na cidade, enquanto São Paulo estava pulsando crescimento urbano acelerado e era o local perfeito para um manifesto daquela magnitude.

Devemos falar da importância das mulheres ao sucesso deste evento. Tarcila do Amaral, que não participou da Semana de 22, mas era uma grande modernista, Gomide Graz, Guiomar Novaes, Zina Aita e principalmente Anita Malfatti. Anita foi aluna de Fritz Burger, Lovis Corinth e Bishoff Culn em Berlin. Sua exposição de 1917 foi duramente criticada em artigo por Monteiro Lobato. E por causa disto, Muitos artistas defenderam Malfatti, inclusive Oswald de Andrade que diante do impasse, tornou-se o elemento aglutinador de poetas, escritores, músicos inspirando o movimento de 22. A arte moderna acaba por quebrar os paradigmas existentes antes de arte masculina e feminina, tanto que escultura era uma arte dos homens. Quem chega para acabar com essas ideias na sociedade?  A ceramista Zina Aita.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Semana de 22 foi chocante e importante. Mário de Andrade em uma conferencia sobre o movimento modernista, dizia que foi “essencialmente destruidor”. Era necessário derrubar os preconceitos, para elevar o país aos novos tempos de tolerância e ideias, acabando com preceitos e dogmas. Devemos perceber que o movimento de novos paradigmas não era restrito as artes, Einstein publicou em 1915 sua teoria geral da relatividade, ruindo com as antigas verdades na ciência, a revolução de 1917 na Rússia elevando os proletariados ao poder acabando com o antigo regime dos Czares e a primeira Guerra Mundial que deu um novo panorama no mundo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Vista um século depois, a atitude do meio artístico para se firmarem as ideias de rompimento com o passado parece obra divina, pois historiadores querem sempre um marco para a mudança de valores e os próprios artistas suaram para que o movimento pudesse ter esse marco valorizado nos dias atuais, valendo-se de sempre algo a mais além do produto, como tomates jogados no palco de propósito, apresentação de Heitor Villa-Lobos de cuecas com suas obras opostas ao gosto popular de um Carlos Gomes, entre outros. Hoje temos os mesmos problemas com artistas da atualidade buscando romper com ideias conservadoras na cultura, aliada ao sofrimento de ameaças violentas desses mesmos conservadores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Diria decepcionado que não existe mais Semanas de 22 como antigamente e que estamos precisando entrar na modernidade e na crença a ciência em pleno 2022. 

“tupi or not tupi, that’s the question”, poderia ser substituido por  “Há mais coisas entre o céu e na terra Brasil, do que sonha a nossa vã filosofia”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email