Presepada de Roberto Jefferson pode causar dano fatal para campanha bolsonarista

"O inferno astral bolsonarista na semana final de campanha é completado, ainda, com os 116 direitos de resposta da campanha Lula no rádio e na TV", diz Miola

www.brasil247.com - Roberto Jefferson e Jair Bolsonaro
Roberto Jefferson e Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado | REUTERS/Ueslei Marcelino)


Por Jeferson Miola, para o 247

A extensão dos prejuízos da presepada do bufão bolsonarista Roberto Jefferson para a campanha bolsonarista ainda estão por ser totalmente verificados, mas os danos já apurados poderão ser fatais.

O ataque asqueroso deste bolsonarista-raiz à ministra do STF Carmem Lúcia na sexta [21/10] já produzira enormes efeitos negativos para a campanha bolsonarista.

Após a divulgação do vídeo de Roberto Jefferson pela filha Cristiane Brasil, agentes da linha de frente fascista – charlatães religiosos, parlamentares, políticos, influenciadores digitais – ocuparam as redes sociais para se solidarizar com o criminoso nos ataques ao STF e ao TSE.

Nenhuma crítica veemente deles, porém, às terríveis ofensas à ministra Carmem Lúcia, tratada por Jefferson como “prostituta, vagabunda arrombada”, além de outros ultrajes.

No domingo, 23/10, o episódio teve desdobramentos sensacionais; todos desfavoráveis ao governo e à campanha do Bolsonaro.

As oito horas de resistência armada de Jefferson à ordem de prisão do STF adicionaram uma formidável coleção de imagens e fatos capazes de arruinar a campanha bolsonarista em ambientes que não os da sociabilidade estrita da matilha, ou seja, da “bolha bolsonarista”.

O desastre do episódio para Bolsonaro só não foi maior porque à última hora o governo desistiu de “negociar” com o bandido amotinado por meio do ministro da justiça.

A campanha bolsonarista será obrigada a dedicar um tempo precioso desses últimos dias da eleição para fornecer a “narrativa” distópica que alimenta a bolha bolsonarista.

Mas essa medida, no entanto, terá eficácia apenas relativa, pois não conseguirá reverter o impacto desfavorável nos segmentos indecisos e de antipetistas não-bolsonaristas do eleitorado que poderiam votar em Bolsonaro.

A campanha Lula, por outro lado, ganha uma riqueza de ingredientes que condensam as trevas bolsonaristas para serem explorados ad nauseam: terrorismo, violência armada, misoginia, truculência, condescendência de agente bolsonarista da PF com bandido, desrespeito às leis, autoritarismo, caos …

O acontecimento forneceu um roteiro praticamente pronto para os programas de rádio e TV da campanha Lula.

O eleitorado genuinamente bolsonarista do Bolsonaro, abduzido por delírios, barbaridades e falsidades, não deixará de votar no pedófilo. Mas parte do eleitorado que Bolsonaro poderia conquistar entre antipetistas e indecisos,se escandalizou e se assustou com o episódio, e poderá votar no Lula ou, pelo menos, não votar em Bolsonaro.

O rombo no casco da campanha bolsonarista é enorme, e poderá ser fatal. A tentativa de Bolsonaro de se desvencilhar de Roberto Jefferson não vingará.

O inferno astral bolsonarista na semana final de campanha é completado, ainda, com os 116 direitos de resposta da campanha Lula no rádio e na TV.

A guerra de Bolsonaro e dos militares contra o pouco que resta de democracia no Brasil será intensificada. É previsível que a campanha fascista busque compensar os estragos causados pela presepada do bufão bolsonarista com outras estratégias criminosas e terroristas.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247