Previsão para hoje: nada indica que os 302 que elegeram Lira vão praticar harakiri

"A votação de hoje à tarde será nominal. Todos que comparecerem darão a cara a tapa. Vamos ver quem vai se aliar, em cadeia nacional de TV, ao deputado que incitou a surrar o ministro Edson Fachin 'com um gato morto' e que ficou claramente identificado como uma ameaça à ordem pública", escreve Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Deputado Daniel Silveira (PSL-RJ)
Deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) (Foto: Agência Câmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Em apenas dois dias os brasileiros, quer dizer, a maioria dos brasileiros, de qualquer tendência política, percebeu que não valia a pena fomentar um crise institucional por causa de um “Daniel o quê”?, na brilhante definição do presidente do STF, Luiz Fux.

Se os dois vídeos de ataques torpes e chulos não fossem bastante, o que chocou o país foi o vídeo em que ele, com aquela pinta de “Johnny Bravo”, já preso, quase bateu na funcionária do IML que pediu, gentilmente, para ele colocar a máscara.

Nos primeiros instantes após os vídeos e a ordem de prisão, temeu-se pelo pior. Que o “Daniel não sei o que” estava dando a senha para um golpe militar; que seria o porta-voz de um movimento que derrubaria de vez a democracia brasileira; e que seus aliados bolsonaristas engrossariam o coro contra o STF, partindo para o tudo ou nada; que a democracia estava por um fio.

Mas a goleada de 11 a 0 mudou o rumo da história. Em menos de uma hora os magistrados da Suprema Corte puseram uma pá de cal nas pretensões e nos questionamentos de algumas vozes isoladas vindas da Câmara. Depois do placar acachapante, o silêncio foi ensurdecedor.

O presidente da Casa, Arthur Lira, viu-se na situação da “escolha de Sofia”, mas atuou para a crise entrar menor do que saiu. Não queria turbulência três semanas depois de assumir. Tentou usar panos quentes. Propôs negociação com o STF, achando que a Suprema Corte toparia, tal como Bolsonaro topou negociar sua ascensão à presidência da Câmara.

Não teve negócio. E ainda por cima Lira ouviu dos líderes na Câmara que ninguém estava disposto a abraçar o afogado.

Bolsonaristas histéricos, inclusive o próprio Bolsonaro, sempre o mais histérico deles, ficaram na moita.

O STF traçou uma linha. Quem a ultrapassar terá o mesmo destino do “Johnny Bravo”. Não há dúvida que ele vai ficar na cadeia por muito tempo – o que adora, se orgulha de ter sido preso 90 vezes quando servia na PM carioca – e impedido de disputar as próximas eleições. Ou será cassado pelos colegas ou pelo STF. A cassação pode demorar 60 dias e a condenação na última instância, seis meses.

A votação de hoje à tarde será nominal. Todos que comparecerem darão a cara a tapa. Vamos ver quem vai se aliar, em cadeia nacional de TV, ao deputado que incitou a surrar o ministro Edson Fachin “com um gato morto” e que ficou claramente identificado como uma ameaça à ordem pública.

Nada indica que os 302 deputados que elegeram Lira vão praticar harakiri.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email