Prisão de Milton Ribeiro ignora mandante

"A prisão do bode expiatório também serve para blindar os dois principais aliados civis de Bolsonaro, Ciro Nogueira e Arthur Lira", escreve Alex Solnik

www.brasil247.com - Milton Ribeiro
Milton Ribeiro (Foto: Clauber Cleber Caetano/PR)


Por Alex Sonik 

Milton Ribeiro caiu em desgraça com Bolsonaro assim que veio à luz o áudio em que o então ministro da Educação disse estar atendendo os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura a pedido do presidente da República. Dias depois ele caiu. 

Assim que o ex-ministro foi preso, hoje, Bolsonaro lavou as mãos. Ele que se explique à Justiça. Não tenho nada a ver com isso. A tentativa de se descolar do escândalo é pública e notória. Bolsonaro nem se recorda que quando as denúncias explodiram ele botou as mãos e o rosto no fogo por ele. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A prisão do bode expiatório também serve para blindar os dois principais aliados civis de Bolsonaro, Ciro Nogueira e Arthur Lira, que têm digitais na farra com dinheiro do FNDE, por meio de prepostos. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tal como no caso do assassinato de Bruno e Dom, a Polícia Federal encerrou o caso sem investigar sequer se havia mandante, como o ministro apontou no áudio, pivô do escândalo. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email