Privatizar a Eletrobras é um ataque direto a soberania nacional

Existe uma forte pressão interna entre os acionistas privados e estrangeiros em retirar do país esse patrimônio que é estratégico na garantia da soberania nacional. Mais uma vez estamos no caminho do retrocesso

Existe uma forte pressão interna entre os acionistas privados e estrangeiros em retirar do país esse patrimônio que é estratégico na garantia da soberania nacional. Mais uma vez estamos no caminho do retrocesso
Existe uma forte pressão interna entre os acionistas privados e estrangeiros em retirar do país esse patrimônio que é estratégico na garantia da soberania nacional. Mais uma vez estamos no caminho do retrocesso (Foto: Cláudio Vignatti)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Responsável pela geração, transmissão e distribuição de mais da metade da energia elétrica consumida no Brasil, a Eletrobrás tem sido pauta constante na Câmara dos Deputados. Está em trâmite um projeto de privatização desta empresa de economia mista, cujo maior acionista é o Governo Federal Enquanto o Governo acredita que privatizar é "recuperar a eficiência da estatal", nós temos clareza que privatizar a Eletrobrás, a maior empresa de energia elétrica da América Latina, não é a solução, é a entrega do poder de decisão para uma empresa privada e provavelmente estrangeira da nossa produção e distribuição de energia. Além disso, acarreta prejuízos para a população (com o aumento da tarifa) e para os 17 mil trabalhadores (com a redução do salário).

Os países desenvolvidos mantêm o controle das suas empresas de distribuição e produção de energia pois compreendem a importância da fonte energética para qualquer país. Um exemplo disso, é os Estados Unidos, onde o próprio exército controlada essa empresa, evitando qualquer situação que colocaria em risco a produção de energia que é vital para a defesa de um país.

Ouve-se falar que a Eletrobrás é ineficiente e apresenta prejuízos, entretanto, existem denúncias que a própria empresa financiou boatos para manchar sua imagem contribuindo para o processo de privatização e por retirar o controle desta empresa das mãos do setor público, afinal, os acionistas representam o mercado financeiro. Outra especulação diz respeito ao interesse do mercado financeiro internacional em controlar essa que é uma das mais estratégicas empresas na garantia da soberania nacional.

Segundo Rita Dias para o Jornal GGN, "a Eletrobrás apresentou lucro de R$ 1,7 bilhão no primeiro semestre de 2017 e de R$ 3,4 bilhões em 2016". Nos anos que a empresa recebeu impacto negativo, nada teve relação com a eficiência da gestão do estado, mas sim com outros fatores como, por exemplo: "I) a edição da MP 579, que se transformou na Lei 12.783; II) a avalanche de provisões relacionadas aos processos do empréstimo compulsório; III) impairments relacionados, principalmente, com a Lei 12.783, que alterou a projeção de receitas, e com a interrupção de obras, especialmente de Angra III; e IV) os prejuízos das suas subsidiárias de distribuição".

A partir do desdobramento dessa questão é visível que o problema da Eletrobrás não é de cunho administrativo, mas sim da vontade política em manter a empresa lucrativa. Existe uma forte pressão interna entre os acionistas privados e estrangeiros em retirar do país esse patrimônio que é estratégico na garantia da soberania nacional. Mais uma vez estamos no caminho do retrocesso.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247