Projeto Metamorfose: Com a teoria e além dela

Para ser fiel a mim mesmo e a um dos trabalhos que já desenvolvo há mais de um ano na Secretaria de Saúde, NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família), da Prefeitura Municipal de Brumadinho (MG) – região metropolitana de Belo Horizonte, optei por divulga-lo, principalmente agora, nesses tempos cada vez mais estranhos e sombrios, no qual o “Bullying” tornou-se um  tema nacional

Borboleta
Borboleta (Foto: Cássio Vilela Prado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

No meu texto imediatamente anterior, aqui no Brasil 247, com título “Bullying: simplesmente fedorento”, cometi um equívoco ao fazer as referências e excertos atribuídos a uma eminente professora de Educação da Unicamp, quando se tratava, na verdade, da proeminente brasileira Cleo Fante, educadora, pesquisadora, conferencista, escritora, graduada em História e Pedagogia, pós-graduada em Didática do Ensino Superior e doutorada em Ciências da Educação pela Universidade de Ilhas Baleares, Espanha.

Ao invés de retificar o texto, preferi fazer este, proferindo publicamente o meu pedido de desculpas à eminente professora referida inicialmente e informando a mesma que o referido texto foi retirado definitivamente do ar.

Desta forma, para ser fiel a mim mesmo e a um dos trabalhos que já desenvolvo há mais de um ano na Secretaria de Saúde, NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família), da Prefeitura Municipal de Brumadinho (MG) – região metropolitana de Belo Horizonte, optei por divulgá-lo, principalmente agora, nesse tempo sociopolítico estranhos e sombrio, em que o “Bullying” tornou-se um tema nacional (embora já o seja mundialmente), do qual todos creem entender, julgar, sentenciar, condenar ou absolver o Outro, às vezes de forma alvoraçada, sem os devidos conhecimentos reais dos fatos.

Enquanto muitos apenas teorizam – que também é importante – nossa equipe, além disso, saiu do imaginário prevalente e elaborou o “Projeto Metamorfose” para trabalhar com as Escolas Municipais, atualmente junto a três estabelecimentos de ensino da zona rural do município, objetivando promover discussões e as intervenções pertinentes, após ampla pesquisa epidemiológica (entrevistas, escuta clínica, institucional e comunitária) com médicos; enfermeiros; técnicos de enfermagem; diretores; supervisores e professores escolares; alunos; população; usuários da Atenção Básica de Saúde e outras instâncias públicas.

Frise-se que o “Projeto Metamorfose”, de nossa autoria, traz em seu eixo temático proposições de assuntos relativos a: Sexualidade; Gravidez; Cuidados Bucais e Corporais; Bullying; Cidadania; Ética e Política; etc., conforme dito acima, após pesquisa e escuta técnica e profissional.

Obviamente, o seu público alvo é todo o corpo escolar, eminentemente, os alunos e seus familiares, com atividades nas Escolas: palestras; conversas diversas; oficinas; elaboração de poemas, redações e gravuras pelos alunos e familiares, com sorteios e premiações; filmes; passeios...

O primeiro tema escolhido por todos os envolvidos, sem surpresas, foi o “Bullying”, em seu sentido mais amplo possível, compreendido como um fenômeno biopsicossocial e político.

No momento, o “Projeto Metamorfose” está em desenvolvimento nas Escolas Municipais: Leon Renault (comunidade do Aranha); Maria Solano (Tejuco) e Carmela Caruso (Casa Branca), de acordo com o levantamento epidemiológico inicialmente realizado.

Portanto, teoria, técnica, metodologia e prática entraram em cena no município de Brumadinho (MG).

Sem maiores delongas textuais, encerro-me com o texto integral abaixo já publicado em site[1]:

 http://www.alominas.com/noticia/1825/projeto-metamorfose-apoio-e-assistencia-as-criancas-e-jovens-em-brumadinho.html

“O Núcleo de Apoio à Saúde da Família – NASF está realizando o Projeto Metamorfose em parceria com PSF’s e Escolas Municipais. A iniciativa visa desenvolver ações de prevenção, promoção, acompanhamento e tratamento no campo biopsicossocial (estudo de fatores biológicos, psicológicos e sociais), através de atividades com estudantes de 6 a 25 anos e seus familiares. O trabalho é desenvolvido pelo psicólogo Cássio Vilela, sob a coordenação de Simone Brito.

Diante do aumento dos níveis de violência, uso e abuso de substâncias lícitas e ilícitas, tráfico de drogas, gravidez não-planejada e outros problemas socioafetivos encontrados na sociedade atual, o projeto busca instrumentalizar os alunos e seus familiares, com diversas atividades educativas, informativas e vivenciais, como palestras dos membros da equipe e convidados, dinâmicas de grupo, filmes, oficinas diversas, apresentações culturais e artísticas, entre outras.

Dentre os sintomas psicossociais e institucionais percebidos em grande parte no comportamento e condutas dos adolescentes e jovens brasileiros, destacam-se, além do uso de substâncias ilícitas, desemprego e subemprego; autoestima reduzida; falta de conscientização dos cuidados corporais e psicológicos necessários; despreparo comportamental para o trabalho; escassez de atividades esportivas, lazer e entretenimento; falta de conhecimentos e esclarecimentos sobre os direitos e deveres civis; uso inoportuno e continuado de redes sociais; gravidez não-programa, etc. Diante disso, após a constatação dos problemas, torna-se ético e pertinente apontar caminhos que os eliminem ou minimizem.

Atualmente o foco do projeto são as Escolas de Casa Branca, Tejuco e Aranha (Melo Franco) em virtude de pesquisa psicossocial (escuta clínica, dados epidemiológicos locais, dados da Polícia Civil, Conselho Tutelar, Unidades de Saúde da Família e outros), e diagnóstico da equipe do NASF a partir de dados das Unidades de Saúde e da direção de algumas escolas, que apontaram maior vulnerabilidade nesses locais. Na quarta-feira, 3, aconteceu o segundo encontro em Casa Branca, na Escola Municipal Carmela Caruso.

As atividades acontecerão de segunda a sexta, de 07:30 as 15:30 horas, de acordo com a disponibilidade das escolas e agenda da equipe do NASF e do psicólogo.”.

A luta continua, ou melhor, a paz deve prevalecer, apesar da obscuridade e do anonimato que ronda a nossa sociedade.



[1] GUIMARÃES, Daniela – “Projeto Metamorfose: Apoio e assistência às crianças e jovens em Brumadinho” – em 05/05/2017, as 20:43 H, disponível em:

http://www.alominas.com/noticia/1825/projeto-metamorfose-apoio-e-assistencia-as-criancas-e-jovens-em-brumadinho.html

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247