Proposta de Lula de ampliar base monetária para alavancar a economia é viável e oportuna

“Deixa a contabilidade pra depois!”, esbravejou o ex-presidente. Os economistas liberais brasileiros devem ter enrubescido



Lula disse com todas as letras à TV 247, nesta quarta-feira (24), que, no comando do país, ampliaria a base monetária nacional em 500 bilhões de reais para financiar obras de infraestrutura, gerar empregos, renda e alavancar a recuperação econômica. É claro que o combate à pandemia estaria incluído. “Deixa a contabilidade pra depois!”, esbravejou o ex-presidente da República.

Os economistas liberais brasileiros devem ter enrubescido, ao passo que nas nações desenvolvidas – Estados Unidos e outros membros da OCDE – recomenda-se há tempos o abandono da austeridade fiscal para salvar o PIB, os empregos e, principalmente, vidas. Por aqui, Executivo e Legislativo perdem tempo precioso a conceber meios de vencer a crise sem abdicar do teratológico fiscalismo do (ainda) ministro Paulo Guedes.

Economistas pró-Guedes, como “joões-sem-braço”, dirão que a base monetária já vem sendo expandida. Na verdade, o que o Banco Central tem feito é imprimir mais papel moeda para repor estoques e suprir o aumento da demanda por dinheiro em espécie, nada que se assemelhe a financiar investimentos do governo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Todos sabem – inclusive Lula – que o Banco Central não pode simplesmente rodar dinheiro e emprestar ao Tesouro. É o que diz a Constituição. Poucos sabem – Lula entre eles – que em dezembro último um grupo de economistas liderado pelo ex-ministro da Fazenda Luiz Carlos Bresser-Pereira propôs uma emenda constitucional que determine a criação de uma agência de Estado para planejar e controlar o investimento público e autorizar o Banco Central a financiá-la em até 3,5% do PIB todos os anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como o momento da economia elimina a possibilidade de excesso de demanda, o crédito a ser dado pelo Banco Central à Agência de Investimentos Públicos não seria inflacionário e, para evitar que isso aconteça, o dispêndio de recursos seria autorizado ou vetado pelo Conselho Monetário Nacional a cada três meses.

A proposta de Bresser viabilizaria a ideia de Lula, portanto. Mas há mais de uma forma de fazer a economia se movimentar para frente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Estamos passando por uma crise que exige que as amarras da austeridade fiscal sejam flexibilizadas. Num momento como este, podem-se criar condições para que o teto de gastos, a regra de ouro e a relação Banco Central / Tesouro não sejam problemas”, afirma o economista Paulo Kliass, doutor em Economia pela Universidade Paris 10 e especialista em políticas públicas.

“O problema é político, se há ou não vontade de botar esse modelo abaixo e fazer com que o Estado recupere o protagonismo no processo de superação não só da pandemia, mas da própria recessão, da crise, enfim, dessa destruição do parque produtivo e do parque de infraestrutura do país”, adverte Kliass. E acrescenta: “Todos, menos o Brasil, já entenderam que são necessárias medidas contracíclicas neste momento”.

Para o economista,  pouco importam as minúcias formais. Ou seja, imprimir papel moeda ou aumentar a dívida pública acabam dando na mesma.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Na hora em que você aumenta o nível de endividamento do Estado para fazer frente a obras de infraestrutura, isso indiretamente acaba significando um aumento da base monetária, porque essa nova dívida pública vai voltar para o circuito econômico e vai se transformar em recursos monetários de alguma forma. Por outro lado, se você simplesmente aumenta a base monetária, isso de alguma maneira também acaba refletindo lá na frente em algum grau de endividamento público. As duas coisas caminham juntas”, explica Kliass.

Quantos empregos seriam gerados e quantas vidas seriam salvas pelo aumento do endividamento? Essa é a pergunta relevante, que fez Lula esbravejar à TV 247: “Deixa a contabilidade pra depois!”

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email