Quando a CPI e o STF se encontram

No inquérito sobre atos pró-golpe, o STF apura conversas entre Fabio Wajngarten e blogueiros sobre verbas para veículos pró-governo, destaca Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia. E há indícios, diz ela, de que o dinheiro para campanhas acerca da Covid foi usado para fazer "mera propaganda do governo". Wajngarten pode ir de novo à CPI da Covid, acrescenta

(Foto: STF | Jefferson Rudy/Agência Senado | Mídia NINJA | Pedro França/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia

Quem conhece CPIs sabe que a da Covid no Senado entrou agora numa fase importante, que precisa consolidar com provas documentais o que já foi revelado em depoimentos mais ou menos bombásticos - ou seja, que o governo Bolsonaro cometeu crimes comuns e de responsabilidade no enfrentamento da pandemia. A quebra de sigilos telefônicos e telemáticos deve revelar muita coisa, mas a temporada dos vazamentos de documentos, na verdade, já começou. E está recebendo uma ajuda tão providencial como inesperada do STF. 

Na semana passada, CPI e STF começaram a dialogar - se não presencial e oficialmente, em hipotéticos encontros entre seus membros, ao menos documentalmente. A decisão do ministro Alexandre de Moraes de suspender  o sigilo das provas do inquérito que apura o estímulo a manifestações antidemocráticas foi uma reação à tentativa do PGR, Augusto Aras, de fulminar o caso com um pedido de arquivamento por falta de provas. Só que elas, ao que parece, existem - e podem ir mais longe, incriminando as forças bolsonaristas, se lidas em conjunto com o que a CPI está apurando.

PUBLICIDADE

Um dos documentos que integra o inquérito do STF, por exemplo, dado pelo jornal O Globo no fim de semana, é um relatório da PF com conversas do ex-secretário da Secom, Fabio Wajngarten, com blogueiros e outros interlocutores sobre o direcionamento de recursos publicitários para veículos e blogs amigos do governo. No pacote, há ainda indícios de que a verba publicitária destinada a esclarecer a população sobre os cuidados com a Covid foi usada para fazer mera propaganda do governo e, pior, para custear anúncios sobre tratamento precoce contra a doença, desautorizado pela medicina.

No vértice das duas investigações, Wajngarten será provavelmente chamado a depor de novo na CPI sobre as contradições identificadas entre o que ele falou no primeiro depoimento e o que os documentos vêm mostrando. É possível que, assim como o ex-ministro Eduardo Pazuello, o ex-secretário esteja entre os investigados da Comissão, deixando de ser meras testemunhas. No STF, também pode acabar indiciado.

PUBLICIDADE

Do ponto de vista político, nada indica que as descobertas da CPI ou do inquérito do STF possam levar ao afastamento de Jair Bolsonaro do cargo por impeachment ou processo por crime comum, antes das eleições do ano que vem. Além do Centrão, que o sustenta na Câmara, ele deve continuar contando com a inestimável ajuda de Aras -- que deverá ser reconduzido no cargo em setembro. Do desgaste, porém, ninguém vai livrá-lo.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email